terça-feira, janeiro 17, 2006

No tempo dos meus avós é que era!

Antes da Maria, TV Guia, Vip, Caras, Ragazza e outras bonitas publicações, havia qualidade nas revistas femininas.
Nas décadas de 50 e 60 era assim que se escrevia:

* A mulher deve fazer o marido descansar nas horas vagas. Nada de incomodá-lo com serviços domésticos.
(Jornal das Moças, 1959)
Eheheh bons tempos! Hoje em dia um gajo tem de saber cozinhar e lavar a louça, pelo menos, e ainda ajudar a limpar a casa! Trabalho de escravo, portanto...

* A desarrumação numa casa-de-banho desperta no marido a vontade de ir tomar banho fora de casa.
(Jornal das Moças, 1965)
Lindo! Tomar banho fora de casa...eu não sei como era antigamente mas sei que em casa do meu avô a casa de banho fica, ainda hoje, num anexo...por isso é fica fora de casa. A minha avó é que a sabia toda!

* Se o seu marido fuma, não arranje zanga pelo simples facto de cair cinzas nos tapetes. Tenha cinzeiros espalhados por toda a casa.
(Jornal das Moças, 1957)
Assim é que devia ser! Hoje em dia elas querem é flores e velas pela casa toda! Havia de ser há cinquenta anos...

* Não se deve irritar o homem com ciúmes e dúvidas.
(Jornal das Moças, 1957)
Uiiiii! Isso hoje em dia era bonito! Lá se ia metade do discurso feminino numa relação! "Para onde estás a olhar?" "Ela olhou para ti. De onde a conheces?" "Porque é que te atrasaste? Estavas com outra?" "Quem era a vadia com quem estavas a falar ao telemóvel?"

* Se desconfiar da infidelidade do marido, a esposa deve redobrar o seu carinho e provas de afecto.
(Revista Claudia, 1962)
Antigamente o pessoal era apologista da lógica cristã de dar a outra face... Juntando a isso a ideia de "ele trai-te mas a culpa é tua, tens de te esforçar mais!" tinhamos uma bela sociedade :)

* A mulher deve estar ciente que dificilmente um homem perdoará a uma mulher que não tenha resistido a experiências pré-núpciais, mostrando que era perfeita e única, exactamente como ele a idealizara.
(Revista Claudia, 1962)
Nunca tinham ouvido falar naquela do "se não serve para os outros, não serve para mim" e gostavam de esposas puras, virgens e inexperientes...cada maluco com a sua mania.

* Mesmo que um homem consiga divertir-se com a sua namorada ou noiva, na verdade ele não irá gostar de ver que ela cedeu.
(Revista Querida, 1954)
O que estes amiguinhos querem dizer é que antes do casamento ou não há nada para ninguém ou então só contra a vontade dela (acho que chamam a isto violação).

* O noivado longo é um perigo.
(Revista Querida, 1953)
Não explicaram! Mas pelas ideias anteriores deve ser para o homem não entrar em loucura provocada pela acumulação prolongada de esperma...

* É fundamental manter sempre a aparência impecável diante do marido.
(Jornal das Moças, 1957)
Ahahah! Sim sim! De preferência acordar sempre primeiro, vestir uma roupinha bonita, maquilhar-se e presentear o marido com um pequeno-almoço na caminha :)

Para finalizar, a melhor de todas:
* O LUGAR DA MULHER É NO LAR. O TRABALHO FORA DE CASA, MASCULINIZA.
(Revista Querida, 1955)
Ou seja...o gajo que tiver uma mulher a trabalhar fora de casa é gay!

FOI PROFUNDO!

3 comentários:

mariadarosa disse...

ehehehe

macho mais macho não há

eu gostava das fotonovelas da crónica.

Fernando Oliveira disse...

Verdadeiramente preocupante é uma pessoa pensar nas razões que te levam a ler estas revistas... Será que estás a tentar impressionar algum másculo exemplar com mais de sessenta anos? A isso chama-se gerontofilia (para os mais piquenos, é pedofilia mas com gente mais velha)

empalador disse...

Esta Palmira só pode ser rota... o que me leva a afirmar que transexualismo já chegou à blogosfera. Desconfio que Palmira e Fernando Oliveira são uma e uma só pessoa, uma e uma só pochete, um e só um par de seios. Reparem no estilo de escrita dos dois. Não se deixem enganar, marmelos. Veredicto: ambos deviam ser alvo da sanção máxima, o empalamento. Que é para não se ficarem a rir... ehehehe (Palmira aka Empalador)

Dispenso...

Porque tudo o que é dito é dispensável...
Porque tudo o que é escrito é dispensável...

Este é um blog onde se fala a sério e se brinca.
Quem não goste de ironia ou sarcasmo que feche esta página rapidamente!
Aqui ninguém tem razão.
Eu não pretendo estar certo, pretendo observar e pretendo fazê-lo de uma forma atenta e crítica...de uma forma dispensável.

Dispenso...um blog dispensável.

pessoas já dispensaram um tempinho para dar uma espreitadela