domingo, dezembro 23, 2007

Maddie - o negócio do ano

Anedota : Dez crianças foram jogar às escondidas.
Como se chama a vencedora?
Madeleine...ainda ninguém a encontrou!

Tem graça?
Não tem?
Tudo depende da forma como cada um encara a vida.

No fundo esta piada (que, para alguns, não ter piada) serve para introduzir a minha visão da história da Maddie.


A menina desapareceu, surgiram diversas versões relacionadas com a explicação do desaparecimento da pequena e, durante um período de um a dois meses, o caso dominou a abertura dos telejornais e as capas dos jornais diários... e não foi apenas dos tablóides sensacionaistas, nem apenas exclusivo nacional.

A páginas tantas havia quase uma troca de mimos entre os jornais portugueses e os britânicos, uma questão de nacionalismos que teve como principais elementos de "interesse" a incompetência das autoridades portuguesas e os testes de ADN feitos em laboratórios ingleses que nunca ninguém soube onde foram feitos ou se foram feitos.

A páginas tantas dei com uma publicação que vinha com uma revista cor de rosa (cortar o cabelo tem estas benesses). Páginas e páginas sobre a evolução da história de Maddie.

Todos os dias surgiam e continuam a surgir novos relatos de alguém que viu a menina, de alguém que viu alguém com a menina...e tudo isto nos mais estranhos pontos do planeta.

E livros?

Em pouco tempo vi pelo menos 4 livros sobre a Maddie, sobre os pais da Maddie, sobre os amigos dos pais da Maddie e sobre o raio que o parta que tem a ver com a Maddie.

Os pais da Maddie também são umas pessoas impecáveis. Desde a ida ao Vaticano, os passeios pela Península Ibérica e campanhas de angariação de fundos para as buscas, os McCann andam por todo o lado a recolher dinheiro.

Isto, já para não falar em magos, bruxas, adivinhos, tarólogos e detectives privados que se multiplicam em promessas de encontrar a pequena Madeleine num prazo de X meses.

Maddie é um fenómeno económico fabuloso, uma fonte que gera receitas de uma forma vil e aproveitadora de uma tragédia que não sabemos se ja teve um desfecho ou se algum dia o vai ter ou até se algum dia alguém vai saber se teve um desfecho e qual foi.

Alguém quer saber o que aconteceu à pequenina loirinha? Acho que sim. Mas só mesmo aquelas pessoas que gastam o seu dinheirinho a comprar as revistas, jornais e os livros de quem apenas vê cifrões com a desgraça da menina britânica que já teve mais atenção em Portugal do que as restantes crianças desaparecidas no país até aos dias de hoje.

FOI PROFUNDO!

domingo, dezembro 02, 2007

A Bola...na trave

É por causa de situações como a que se segue que eu acho que falta fazer uma reforma na comunicação social (em geral) e no jornalismo (em particular).
Não é à toa que existe uma diferença entre ter uma licenciatura e não a ter.
Tudo bem que a maior parte das pessoas que dirigem as redacções, mesmo que não tenham um canudo, têm uma larga experiência... o que, nestes casos, acaba por não querer dizer nada.

Veja-se:


Muito lindo e com muita piada, não?

Quaresma leu a sina.

Quem lê a sina?

Os ciganos.

O Quaresma fez algo típico dos ciganos.


Ui...Estereótipos!
Sabem o que são?
Aquelas coisas com as quais devemos ter cuidado enquanto jornalistas...

Daqui a nada vão começar com títulos tipo

"Adu roubou-lhes a vitória"

Pois...é preto, logo é ladrão!

Ou melhor!

"Hussein rebentou com adversário bracarense"

Sim, porque ele é árabe e os árabes têm todos a mania de se fazerem explodir!

Em suma, na faculdade alertam-nos para o perigo de usar certas expressões discriminatórias (mesmo que a pessoa em causa tenha muito orgulho nas suas características particulares), algo que vemos de quando em vez ser usado nos noticiários (por exemplo) ou nos jornais: "o indivíduo de etnia cigana" "o alegado raptor é um emigrante de leste"...são expressões que não se devem usar. No máximo dos máximos descreve-se fisicamente, se for necessário alertar a população caso seja alguém a fugir das autoridades.

Agora esta do Quaresma foi a pura demonstração do que não se deve fazer.

Eu continuo a achar que devia haver uma reforma do jornalismo em Portugal, algo com pés e cabeça. Custa muito blindar a profissão? Ou será que ser jornalista é assim tão diferente de ser arquitecto? "Sabes desenhar? Toma lá um lápis e faz uma casa." É mais ou menos esta a grande barreira que tem de ser atravessada para se ser jornalista hoje em dia.

Que sentido faz ter licenciaturas a preparar e qualificar as pessoas se depois não existe o pré-requisito da licenciatura (em jornalismo) para se ser jornalista?

Porque não promover uma mudança e já? Porque não impôr algo do género "muito bem meus meninos, a partir deste ano só é jornalista quem tem o curso. Quem já está "dentro do circo" que fique, mas que se crie um "ano zero" a partir do qual se crie uma blindagem da profissão.

Digo eu...que sou licenciado em jornalismo e, como tal, suspeito.


FOI PROFUNDO!

segunda-feira, novembro 19, 2007

O dinheiro é como o Cristiano Ronaldo?

A publicidade do BES que tenta fazer a associação entre Ronaldo e o dinheiro acaba por ser um tiro no pé.
Diz o anúncio que "o dinheiro é como o Cristiano Ronaldo. Parado não rende".
Sugestão: mete o dinheiro no banco.
Hum...
Nesse caso, se o dinheiro é como o Cristiano Ronaldo, o Cristiano Ronaldo é como o dinheiro, se o BES diz para meter o dinheiro no banco e o Cristiano Ronaldo é como o dinheiro, então o BES diz para o Cristiano Ronaldo ir para o banco, porque é lá que ele rende. Mas no banco o Cristiano Ronaldo está parado!
Então afinal o Cristiano Ronaldo não rende parado, é como o dinheiro, o dinheiro rende no banco, mas o Cristiano Ronaldo no banco está parado e não rende...mas afinal rende. Ou então não rende.


Ooooops!
Olha o trocadilho escondido no trocadilho do BES!



FOI PROFUNDO!

sexta-feira, novembro 16, 2007

Grandaaaaa cena!

Estas duas cenas do filme "The Man" são algo de brutalmente bem montado e com um humor delicioso.
Os actores são óptimos, Samuel L. Jackson (aquele rapazinho que entrou no Pulp Fiction, 51st State e mais uns quantos filmes de alta qualidade) e Eugene Levy (o papá de American Pie) e o jogo entre as duas cenas é hilariante.

Recomendo que vejam o filme.



FOI PROFUNDO!

quinta-feira, novembro 15, 2007

Olá Donaldeeee!

És daquelas pessoas que estão cansadas de associar a palavra ventríloquo a um velho chato com um pato na mão que mexe o bico enquanto se ouve alguém dizer "Olá Donaldeeeeee! Diz olá às pessoas!"?
Então o vídeo que eu encontrei no Youtube é uma lufada de ar fresco na tua vida de pessoa que pensava que essa arte estava perdida e maltratada.
O jovem em questão chama-se Jeff Dunham e, segundo soube, venceu dois prémios de ventríloquo do ano.









Recomendo que procurem mais vídeos do senhor no Youtube.

FOI PROFUNDO!

terça-feira, outubro 23, 2007

Trocados na maternidade?

As trocas de bebés à nascença não serão um acontecimento muito comum, mas ao ver certas semelhanças entre algumas pessoas, às vezes eu pergunto-me...

Um caso é o do treinador da AS Roma, Luciano Spalletti, e Terry O'Quinn, o actor que encarna a personagem do estranho John Locke na série Lost/Perdidos.



FOI PROFUNDO!

sábado, outubro 20, 2007

O tempo escasseia


Estava hoje a fazer umas continhas e reparei que apenas tenho exactamente 14 dias para poder fazer parte do "27 Club", também conhecido como "Forever 27 Club".

O "27 Club" não é mais que o nome dado a um grupo de pessoas ligadas à música que quinaram antes de fazer vinte e oito aninhos de idade, por vezes por opção própria, por vezes em estranhas circunstâncias.

Alguns dos famosos que fazem parte do clube, um clube especial e restrito no qual só se pode entrar estando morto:

Brian Jones (3 de Julho de 1969) - Fundador e guitarrista dos Rolling Stones, morreu afogado na piscina, alegadamente assassinado.

Jimi Hendrix (18 de Setembro de 1970) - Cantor, compositor e guitarrista, morreu asfixiado no próprio vómito depois de uma overdose acidental de comprimidos para dormir. (diz que a ganza dá sono mas o homem ainda assim tinha que andar agarrado ao Xanax!)

Janis Joplin (4 de Outubro de 1970) - Vocalista e compositora, morreu devido a uma overdose de heroína depois de ter avaliado mal a pureza da droga. (se calhar já estava a medir a segunda ou terceira ou quarta dose...)

Jim Morrison ( 3 de Julho de 1971) - Vocalista, compositor e director de vídeo dos Doors, morreu, segundo a versão oficial, devido a uma falha cardíaca, mas uma vez que não foi feita autópsia a real causa de morte é um mistério e suspeita-se de uma overdose acidental. (correu-lhe mal...se calhar encheu demais a colher de xarope para a tosse)

Kurt Cobain (5 de Abril de 1994) - Vocalista, compositor e guitarrista dos Nirvana, suicidou-se com um tiro de caçadeira na cabeça, apesar das diversas teorias em torno da sua morte. (e nunca mais teve dores de cabeça...)

Louis Chauvin (26 de Março de 1908) - Músico de ragtime. Morreu de sífilis. (Ganda maluco!)

Robert Johnson (16 de Agosto de 1938) Músico de blues que influenciou outros músicos como Jimi Hendrix, Keith Richards e Eric Clapton, morreu,segundo rezam as crónicas, de pneunomia seguida por envenenamento por estriquinina...também não está posta de parte a possibilidade de ter levado um tiro. (Bem...é que até é parecido! "Que buraco é esse? Foi uma bala? Não, foi pneumonia e envenenamento!)

Jesse Belvin (6 de Fevereiro de 1960) - Cantor e compositor de R&B, passou para o outro lado devido a um acidente de viação.

Johnny Kid (7 de Outubro de 1966) - cantor e compositor, esticou o pernil por causa de um acidente de viação (esta malta da década de 60 não era grande coisa ao volante).

Alan "Blind Owl" Wilson (3 de Setembro de 1970) - Cantor e compositor dos Canned Heat, quinou devido a uma overdose de barbitúricos. (é natural...mocho e cego...deve ter visto mal o rótulo e pensou que eram sugos).

Les Harvey (2 de Maio de 1972) - guitarrista dos Stone the Crows, morreu electrocutado por um microfone. (Quem o mandou fazer o que não lhe competia? Ou cantas ou tocas...)

Ron "Pigpen" McKernan (3 de Março de 1973) - Fundador dos Grateful Dead, foi desta pra melhor devido a (por favor, não se riam) hemorragia intestinal associada a alcoolismo.

Dave Alexander (10 de Fevereiro de 1975) - Baixista dos Stooges, morreu de pneumonia.

Peter Ham (24 de Abril de 1975) Guitarrista e teclista dos Badfinger, enforcou-se. (estes fanáticos das gravatas...)

Harry Thain (8 de Dezembro de 1975) - ex-baixista dos Uriah Heep, overdose.

Chris Bell, (27 de Dezembro de 1978) - Cantor, compositor e guitarrista dos Big Star, também actuava a solo, morreu depois de espatifar o carro contra um poste dos telefones. (é capaz de ter bebido um bocadito demais para empurrar as "belhozes")

D. Boon (22 de Dezembro de 1985) - Guitarrista e cantor dos Minutemen, partiu o pescoço por não usar o cinto num acidente de carro. (Sim, que fatela! "Eu sou punk, não uso cinto!")

Pete de Freitas (14 de Junho de 1989) - Baterista dos Echo & The Bunnymen, teve um acidente de mota e nunca mais teve de pagar impostos.

Mia Zapata (7 de Julho de 1993) - Baixista dos Gits, foi assassinada.

Kristen Pfaff (16 de Junho de 1994) - Baixista das Hole, morreu de overdose. (Das Hole...para a cova...)

Resumindo, como não sou nem me parece que venha a ser uma estrela da música, parece que vou ter de andar cá mais uns anitos. A menos que me engane a medir a dose, ou me espete de carro, ou me esqueça de colocar o cinto, ou tropece de cima de um banco e esteja, por coincidência, com uma corda à volta do pescoço que, por acaso, esteja presa a uma viga, ou tenha problemas de intestinos e fígado, ou tenha azar a brincar com uma arma, ou apanhe muito frio e acabe com uma pneumonia, ou alguém me tente assassinar (ooops! Se calhar é melhor dizer que sou do Benfica e deixar de criticar toda a gente...) ou então apanhe um choque eléctrico com um microfone...epá!Agora fiquei com medo! Vou mudar de profissão!


FOI PROFUNDO!

quinta-feira, outubro 11, 2007

Foo deram-se bem em mais um álbum

Decorria o ano de 1994 quando Kurt Donald Cobain (Aberdeen, 20 de Fevereiro de 1967 — Seattle, 5 de Abril de 1994) resolveu dar um fim à sua vida e, consequentemente, aos Nirvana.

O grupo nascido em Aberdeen, Washington, estava no topo e, ao que se fez constar, Cobain não lidou bem com a pressão e acabou por morrer por alergia ao chumbo de uma arma que resolveu disparar contra os queixos.

Cobain era a figura principal dos Nirvana, acompanhado por Krist Novoselic e Dave Grohl. Novoselic, um latagão de perinha e baixo em punho que sobressaía pelo seu tamanho. Findos os Nirvana, o filho de croatas juntou-se aos Democratas, que apoiou nas eleições governamentais de Washington, assim como a candidatura de John Kerry à presidência dos Estados Unidos, em 2004. No mesmo ano, Krist escreveu e publicou o livro "Of Grunge and Government: Let's Fix this Broken Democracy!".
Para além da política, Novoselic continuou envolvido com a música...ou pelo menos tentou.

Depois de recusar a proposta de Dave Grohl de se juntar aos Foo Fighters por achar que se trataria de uma reencarnação dos Nirvana, lançou, em 97, os Sweet 75, o nome escolhido para a dupla que Krist formara com a exótica cantora venezuelana Yva Las Vegas. Mas os Sweet 75 acabaram em 1998, por atritos pessoais.

Em 1999, fez parte da banda No WTO Combo, formada por Jello Biafra e pelo guitarrista dos Soundgarden, Tim Tayil. Em 2002 formou os Eyes Adrift com o baterista, ex-Sublime, Bud Gaugh e o guitarrista dos Meat Puppets, Curt Kirkwood. A banda desintegrou-se pouco tempo depois de lançar o album homónimo.

Em 2005 Krist chegou a anunciar, em 2005, mas foi apenas uma promessa nunca realizada, mostrando o seu bom lado político.

Em 2006, tornou-se apresentador de um programa semanal de rádio da emissora comunitária KMUN. Dá-se pelo nome artístico de "DJ K-No", mas nem sempre vai para o ar todas as semanas.

Também em 2006, Krist voltou como baixista dos Flipper, substituindo o antigo músico Bruno "DeSmartass".


Os Nirvana tinham lá no fundo, bem escondido, um guedelhudo, de nome Dave Grohl, um camarada que tocava bateria e de vez em quando se fazia ouvir como segunda voz.

Com a morte de Cobain e a extinção dos pais do Grunge, nasceram os Foo Fighters e foi aí que o mundo se apercebeu do talento do ex-baterista.


Os Foo Fighters são compostos actualmente por Dave Grohl, no micro e na guitarra, Taylor Hawkins, na bateria, Nate Mendel, no baixo, e Chris Shiflett na guitarra.

Em 1995 lançaram o álbum homónimo, seguindo-se The Colour And The Shape, em 97, dois anos depois saiu para o mercado There Is Nothing Left To Lose, já em 2002 saiu One By One, em 2005 foi a vez de editarem In Your Honour e no ano seguinte Skin And Bones reuniu alguns dos melhores temas da banda até então.


2007 trouxe ao público Echoes, Silence, Patiente & Grace e trouxe também a confirmação de que Grohl e seus comparsas não são capazes de fazer má música.


OsFoo são daquelas bandas que fazem um álbum inteiro de boas músicas, várias delas muito boas e, melhor ainda, já o fazem desde o início da sua carreira, uma carreira que não é assim tão curta (com mais de uma década de existência) e repleta de bom som e de imenso talento.

E talento é coisa que não falta a Dave Grohl, aquele que seria o menos visível dos três Nirvana, o baterista e vocalista secundário que conseguiu, no primeiro álbum dos Foo Fighters, gravar a voz e todos os instrumentos editados!


Agora só quero que chegue o próximo, mas enquanto não chega vou deliciando os meus ouvidos com Echoes, Silence, Patiente & Grace...e todos os anteriores que não me canso de ouvir.



FOI PROFUNDO!

domingo, setembro 23, 2007

Estou confuso...

Provavelmente já alguém deve ter tido esta dúvida mas aqui vai ela:

Porque é que o Porto é conhecido como a Cidade Invícta e aquela onde mais se trabalha...


...e onde se tratam os lisboetas por mouros...


...e depois se costuma usar a expressão "Mouro de trabalho" para alguém que trabalha imenso?


FOI PROFUNDO! (não foi?)

sábado, setembro 08, 2007

E agora McCann?

Numa altura em que a opinião pública está contra os McCann, eu vou contra a opinião pública.

Há uns meses atrás todos diziam "Coitadinhos dos pais da Maddie", mandavam dinheiro, flores e todo o apoio, carinho e afecto que os pais, umas vítimas, mereciam.
Agora ouvem falar em "arguidos" e já dizem que os McCann são uns assassinos e uns hipócritas.

Não podemos censurar a opinião pública, o próprio Vaticano reagiu da mesma forma. Depois de terem sido recebidos pelo Papa, viram agora ser retirado "não sei o quê" do site da Igreja Católica.


(Ontem recordaram as palavras do papá McCann a dizer que nunca tinham dado nada às crianças,
depois um amigo da família veio dizer que AFINAL a mamã McCann lhe teria dado um comprimidito...
raio dos flashes de memória!)


A relação entre os McCann e a polícia portuguesa sofreu o mesmo revés.

Antes eram só elogios, agora as autoridades portuguesas, são "ridículas", "incapazes", "nojentas", etc, etc, etc.


No meio disto tudo safa-se a imprensa britânica.
Sempre tratou mal a polícia portuguesa, sempre tratou Portugal como um país subserviente, sempre tratou os portugueses como uns atrasadinhos, sempre se esqueceu que o Reino Unido tem a maior percentagem de casos não resolvidos de crianças desaparecidas, sempre divulgou notícias falsas, sempre foi coerente na sua falta de qualidade.


Um grande bem-haja, Imprensa britânica.
Temos muito a aprender com eles...como não fazer jornalismo!



FOI PROFUNDO!


P.S. ainda alguém acha que a pobre menina vai aparecer?

Arte e Cultura


Hoje não vou falar de bola.
Também não vou mandar piadinhas nem gozar com nada (talvez só um pouquinho).

Vou falar de um assunto levantado por uma menina que há uns dias questionava a relação actual entre os jovens e a arte.
Questão essa que eu resolvi tornar mais abrangente e ao invés de arte pergunto: como é que a malta mais nova se relaciona hoje em dia com a cultura?

Antes de tentar falar do que não sei (ou seja, dos outros), falo de mim.

Dentro da cultura devo dizer que mantenho uma saudável relação com a literatura (embora nem toda), com a música e com a sétima arte. Não sendo um cinéfilo, aprecio alguns filmes, desde os mais light que servem para descontrair o cérebro, até aos de trama mais elaborada, que servem para exercitar a massa cinzenta.
Musicalmente sou uma prostituta e das muito baratinhas. Ouço tudo, experimento tudo e depois acabo por ficar fã da maior parte das sonoridades.
Na literatura já sou um esquisitinho. Dêem-me livros baseados em factos reais e eu sou um homem feliz. Obviamente que se me colocarem à frente umas 20 mil léguas submarinas, uma Moby Dick, uns Maias ou um Ensaio sobre a cegueira (perdoem-me a ausência de aspas ou itálicos) eu agradeço...
Por acaso também sou fã de livros educativos, como livros de culinária ou o Kamassutra... mas isso são outras histórias.

Agora as minhas relações complicadas.

Pintura...o bonito ou feio na pintura são demasiado subjectivos e sou claramente um asno nesse campo... Há telas que, para mim, são um espirro de tinta e muitos tecem elogios rasgadíssimos. Não entendo, nunca vou entender.
A poesia (e estou a separar da restante literatura) é algo que me intriga. É bonito? É musical? Apela às emoções? Eu devo ser (ok, eu sou) um "pouco" insensível (estava a guardar as aspas para este momento) pois para mim uma cómoda serve para guardar roupa, quer tenha uma rosa em cima quer não. Não é pelo facto de conseguir que duas frases intercaladas acabem no mesmo som que o que dizemos tem maior significado. A mesma frase dita com algumas palavras numa ordem diferente vira um verso! Um poeta é um disléxico! Ok, estou a exagerar...
A poesia não tem nada de mal...é apenas uma forma mais trabalhosa de dizer o que poderia ser dito de uma maneira mais simples para que pareça mais importante ou mais sentido. Não admira que "poeta seja um sofredor", imagino o que deve sofrer para conseguir os malabarismos vocabulares/frásicos necessários ao nascimento de um poema.
E a escultura? Antigamente faziam-se esculturas fabulosas, imponentes, majestosas, lindas. Gosto daquela ideia de alguns artistas que dizem que se limitam a tirar os excedentes de um bloco de pedra para que apareça o que já lá estava. Agrada-me. O que me desagrada é que se apreciem certas e determinadas "peças" que alguns artistas conceituados resolvem vender e toda a gente gaba "porque é arte" e "a arte não foi feita para ser compreendida". Esses artistas (alguém me viu mencionar o nome Cutileiro?) gozam com a cara das pessoas. Se fosse um miúdo na primária a fazer uma réplica em plasticina mandavam-no para acompanhamento especial, chamavam os pais e recomendavam um psicólogo. Alguém ia dizer "o seu filho tem um dom natural!"? Não me parece.

Terceira parte: a cultura que eu esqueci.

Teatro, ópera (e de certeza que há mais).

Não vou ao teatro. Não sei porquê, se por comodismo, se porque é caro ou se porque se não estiver a gostar não posso mudar de canal para a FOX ou para a SPORTV. Com a ópera sempre tenho a desculpa de (acho eu) não haver grande oferta.
Mas gosto de ambos.
A TVI ultimamente passa umas coisecas de teatro, aliás, de revista à portuguesa e de adaptações de séries/novelas do canal para o palco. Não será bem bem teatro porque, no primeiro caso, é revista porque é feito à base de berros e de asneirolas (o público gosta, ri-se e faz aquele ar de comprometido como quem pensa "aiiii isso nao se diz! ihihih! marotos!"), no segundo caso é uma estupidez. Pegar no elenco dos Morangos com açúcar que mal sabe representar para tv e pôr os putos todos num palco é asneira. Serve para chamar os adolescentes e não lhes transmite o que é a realidade do teatro.

Conclusão:

O que eu penso é que a malta mais nova (no meu tempo éramos a geração rasca ou a geração X, agora é a geração morangos. eu não gosto muito de rótulos) não tem uma grande relação com a cultura.
Ou não lêem ou lêem os livros da moda (metam-me à frente um livro da Margarida Rebelo Pinto, do Nicholas Sparks ou do Paulo Coelho e eu considero isso um insulto); cinema ainda vá lá que não vá (que bonita expressão...tão...não diz nada e diz tudo!); museus e teatros nem vê-los, música só mesmo a que dá status, a que os amigos gostam, a que vende, a que dá nas discotecas; pintura e escultura...acho que estão piores que eu.
Mas ainda há o outro extremo. Aquela malta que acha que gostar de "cultura" é chique. Que lê escritores marados (aquela malta que leu a Aparição e gostou...), que ouve música erudita porque fica bem, que ouve Jacques Brel e outros cantores franceses porque fica bem, que vê bailado(mais uma que me tinha esquecido...não gosto mas respeito quem gosta embora não entenda muito bem), que vai ao teatro e dá opiniões sobre os dois últimos apesar de não ter entendido nada diz que "a mensagem que o autor/encenador pretendeu passar foi bastante profunda"...
E ainda há quem realmente gosta, essa imensa minoria.
(Eu sou um mix...)

Eu gostava de ser artista...mas gosto muito de matemática e ciências, daí que seja demasiado pragmático para entender certas demonstrações culturais.
Cada maluco...sua mania.


(NÃO) FOI PROFUNDO!

terça-feira, julho 31, 2007

Paus de dois bicos do jornalista


O novo Estatuto do Jornalista, ao que parece de acordo com o que tenho lido, vem acabar com a protecção das fontes. Agora, o jornalista não pode oferecer à fonte o anonimato.
Ou melhor, pode oferecer, mas caso as autoridades queiram saber a identidade da fonte o jornalista tem de a revelar.
Este facto tem duas “nuances”.
Em primeiro lugar, porque é que o jornalista passa a ter a obrigação de revelar as suas fontes e advogados, médicos e padres podem oferecer o sigilo proporcionado pelos seus ofícios?
Em segundo, segundo uma outra perspectiva, a protecção das fontes acaba por ser um precioso trunfo do jornalista mas, ao mesmo tempo, um dos maiores cancros da profissão.
Por um lado, o facto de não ter de divulgar a fonte, permite ao jornalista obter importantes informações que não conseguiria de outra forma, por outro, o mau jornalismo tira partido deste “instrumento”, quer inventando notícias, quer publicando outras de fontes duvidosas ou de interesses duvidosos.
Algo que me indigna de sobremaneira é a questão do segredo de justiça. Fala-se muito das notícias divulgadas na comunicação sobre assuntos que estão em segredo de justiça. A defesa dos jornalistas, editores e órgãos que as divulgam é, no mínimo, ridícula. O jornalista não está sob a alçada do segredo de justiça, a fonte que transmite as informações “proibidas” é que cometeu o pecado da revelação de informações confidenciais.
Ou seja, o jornalista, que deve ser um profissional informado, por dentro das questões da justiça, sabendo que um assunto está em segredo de justiça, divulga-o na mesma. Por inocência? Ou será pelas leis da concorrência e da guerra das audiências?
Fico desiludido com a hipocrisia de quem se escuda num argumento que é quase insultuoso para o público e para a classe. Um jornalista que usa este argumento está a “sacudir a água do capote” recorrendo a uma verdade que se baseia na ignorância.
Vou tentar recorrer a uma analogia claramente hiperbólica.
Imaginemos que estamos a passar ao pé de um banco que está a ser assaltado. O ladrão sai com uma mala cheia com milhares de euros e, vendo que a polícia está perto, passa-nos a mala para a mão. Nós não roubámos o dinheiro, foi o ladrão, foi ele que cometeu o crime, a ilegalidade… Será que isso nos dá legitimidade para ficar com o dinheiro? Será que alguém o faria?
Não me parece.
Para já ficam estas considerações e uma promessa. Vou dar uma vista de olhos no documento tão falado do novo estatuto e mais posts surgirão.

FOI PROFUNDO!

sábado, julho 21, 2007

Começo a detestar a polícia


Moro numa zona onde todos os dias por volta das 10 da manhã passa um grupinho de polícias a cavalo...passam mesmo à minha janela e o barulho é tanto que parece que andam a passear à volta da minha cama.

Ultimamente tem sido ainda pior.

Deve haver algum ciclo de conferências na FIL (ainda não fui espreitar nem lá nem no google) com personalidades famosas/ do governo / da política internacional, ou são as típicas reúniões do pessoal da UE realizadas no Pavilhão Atlântico, então tenho de levar com as sirenes de umas 10 motos da polícia de cada vez, a fazer escolta de um, dois ou três carros.

E, atenção, as sirenes estão ligadas à ida e à volta, ou seja, são doses duplas de sirenes a entrar pelos ouvidos e a moer o meu cérebro.

Mas para quê tanto aparato?

Não bastava ligarem o sinal sonoro apenas no caso de estarem carros a impedir a passagem? Ainda agora fui à janela e estava um carro, UM CARRO, um mísero carro na via da direita para entrar para uns apartamentos, pois os senhores da polícia vieram durante 100 metros com as sirenes ligadas!

Mas será que acham que são engraçados?

É que aquilo de útil não tem nada!

P.S. Não tenho nada contra os polícias, apenas contra o protocolo que eles têm que seguir e contra o percurso escolhido para andar com os cavalinhos.


FOI PROFUNDO!

De volta...

Lisboa, 2:15 da manhã.

Estou de volta a casa, com uma fome imensa e passo pelo Mc Donalds, essa casa de pasto norte-americana.

Paro no McDrive e atrás de mim está um "xunning" num polo antigo todo "kitado", com três gajos com bonés à mauzoes. O condutor acelera, armado em macho a meio da fila, uma, duas três...dez vezes, até fazer aquele barulhinho bonito que dá status social no planeta dos "xunnings".

O carro vai abaixo. Não liga. Os dois amigos saem, envergando os seus bonitos chapéus e empurram o carro.

Sorrio, pago, pego no saquinho com um haburguer e um pacote médio de batatas e vou conduzo para casa.

À saída do mc drive, cruzo-me com um polo preto, com quatro pretos (cidadãos de raízes africanas, se preferirem), três deles de oculos de sol.

São 2:30 da manha

Acho que vou reactivar o blog, há muito por onde escrever.


FOI PROFUNDO!

segunda-feira, junho 11, 2007

Onde está a Maddie?

Os pais da Maddie não param de viajar à procura da pequena.

Espanha

França

Vaticano

Marrocos

Agora estão de volta a Portugal.


A minha pergunta é...


Então e com tanta viagem onde é que eles deixam os filhos que sobraram?

No quarto?



FOI PROFUNDO!

sexta-feira, junho 08, 2007

Toca a dormir

Liliana Aguiar é a menina bonita (e bouuuuaaa) que apresenta o programa da madrugada na TVI, o Toca a ganhar .
O programa em si já é péssimo, serve para recolher rios de dinheiro com chamadas a 60 cêntimos que, na maior parte, não dão em nada porque só "aquele" participante número não sei quantos é que entra em directo para jogar.
Depois, tem o condão de ser um programa em que a jovem só enche chouriços. E também bebe água.
Triste é o facto da jovem ter tanto de sensual como de pouco iluminada ou até de desconhecedora de certas regras da Língua Portuguesa!
É que temos de aguentar com cada tiro ao lado!
Só na última noite foi uma saraivada de calinadas!
O tópico era "coisas de cor verde" e a Lili arrancou com um "póssamos", passou para um "consígamos", mandou com o tradicional "vá lá portugueses!" (sim, ela fala à nação), ajeitou o decote, bateu com as notas na mesa, deu 3 minutos e ninguém ligou, parou o relogio a 36 segundos do fim e ninguém ligou, então deu mais um minuto.
Ora, o pedido era para coisas de cor verde e consideraram certo "kiwi". Não sei bem, mas o kiwi é verde por dentro mas por fora é castanho!!!
A Lili dos decotes exclama "aqui no estúdio faz-se muito calor!". Faz-se? É como o gelo?
Entretanto, cai uma chamada sem a senhora dar a resposta e a Lili diz que isso acontece "mas não interessa, mais chamadas irão cair"... Iupiiiii! e a TVI a receber o guito!
"Será que vai entrar mais participantes?", pergunta a menina. Será que ela sabe falar?
"Aqui está as respostas correctas", diz ela para dissipar as minhas dúvidas.
portugueses, portugueses, o q é que eu vou fazer para lhe dar mais dinheiro?"...bem, primeiro fala com todos e depois fala individualmente. Esta jovem é uma contorcionista do Português!
No meio disto tudo eis que liga um jovem que respondeu "BANANA". Boa lógica...as bananas quando não estão maduras são verdes...assim como a maior parte da fruta!

Resumindo, mais um programa de alta qualidade...

FOI PROFUNDO!

quinta-feira, junho 07, 2007

Hoje é Corpo de Deus!

E perguntam vocês:
Corpo de Deus?

Será que é um corpo definido?

Será que tem barriguinha de cerveja?

Será que vai ao ginásio?

Será que está flácido?

Bem...ele já tem uns aninhos...dizem que anda por aí desde o início do mundo...

E se nunca ninguém o viu é porque deve ser mesmo magrinho...invisível...


FOI PROFUNDO!

Departamento Médico do Sporting tem novo desafio

Toranzo, o médio argentino que se fala para reforçar os "leões" gostava de ser mulher.
Como se pode ler na capa do Record, o jogador "gostava de jogar com pipi".

Compreende-se, isso evitava alguns obstáculos na corrida e poupava-o das dores horríveis ao ser atingido no baixo ventre.
Agora que abriu o Hospital da Luz, o departamento médico do Sporting tem agora entre mãos a possibilidade de saltar para a frente da medicina desportiva nacional.
FOI PROFUNDO!

segunda-feira, maio 21, 2007

Eu acho que é assim tipo...posso dizer? És parvo!

Mas vou dizer o quê?
Há dias em que vais valia um gajo ter nascido mudo...



FOI PROFUNDO!

terça-feira, maio 15, 2007

Ser asno ou não ser


Já não é de hoje a minha antipatia pelo sapiente Miguel Sousa Tavares.
Há certas frases e comentários do senhor que me induzem o vómito e me deixam com náuseas.
Miguel Sousa Tavares estava na TVI a comentar a nova Lei do Tabaco e deu-lhe uma paragem cerebral das qual resultou a seguinte amálgama de palavras:

"o fumo nos restaurantes, que o Governo quer limitar, incomoda muitíssimo menos do que o barulho das crianças - e a estas não há quem lhes corte o pio."

Sim, ainda estou à espera de uma lei que permita colocar uma mordaça na boca de uma criança que faça barulho! Ou então que permita o porte de armas de fogo caso seja para atirar numa criança para que esta se cale...definitivamente, livrando quem está à volta e o mundo em geral do ruído que esta posso produzir futuramente,
Não contente, ainda conseguiu continuar ao seu melhor estilo:

"Tive a sorte de os meus pais só me levarem a um restaurante quando tinha 13 anos."

Bem, ficámos a saber que MST, enquanto criança, era muito barulhento e que a sua falta de educação durou até aos 13 anos.
Ficámos também a saber de onde vem a sua habitual lucidez!
Dizem que é de pequenino que se torce o pepino, mas tenho pena que o pai do MST não fosse o Homer Simpson e não lhe tenha torcido o pescoço!

Também ficámos a saber que o MST é defensor das práticas dos pais da Maddie, por isso deve apoiar a 100% que se vá para os copos e se deixem as crianças em casa!
Tenho pena que os pais do MST não tenham tido o mesmo destino que os pais da Maddie e não lhes tenham raptado o MST.
Já desde os tempos é que o MST falava sobre o dinheiro das propinas e do comportamento dos estudantes que o achava descompensado mas as suas crónicas desportivas, os seus comentários na TVI e todo o seu percurso provam cada vez mais a minha teoria.
O MST tem problemas!
Só que agora sabemos que esses problemas vêm da infância e do facto de ter sido uma criança abandonada pelos pais...até aos 13 anos.
Provavelmente o MST ter-se-a feito homem quando o seu pai, lá por alturas da adolescência, o terá levado às meninas.
Provavelmente terá sido, para o MST, uma educação normal.
Palavras para quê?
É um artista português...


FOI PROFUNDO!

segunda-feira, maio 14, 2007

Isto é muito Mau!

Estes senhores tocaram em Coimbra.
Diz-se que são jeitosinhos mas eu nem os ouvi.
Cá para mim, depois disto, a Páscoa vai ter outro significado para o coelhinho...



FOI PROFUNDO!

quinta-feira, maio 03, 2007

Tocar na ferida


José Mourinho auto-intitula-se o "Special One" e ninguém duvida que ele tem algo de especial.
Infelizmente (para ele) os últimos tempos não lhe têm corrido bem.
Talvez haja alguma relação entre os resultados do Chelsea e as suas declarações infelizes, talvez a ausência de sucesso leve o treinador dos "blues" a ser ainda mais polémico nas suas palavras...
Difícil de entender é a sucessão de palavras pouco simpáticas para com Cristiano Ronaldo.
No entanto, vejo alguma injustiça, quer na visão de Mourinho, quer nas críticas que lhe são feitas.
José Mourinho falou recentemente nas origens humildes do 7 dos "Red Devils" mas com palavras menos abonatórias, algo como "fraca educação".
Infeliz, é um facto.
Mas igualmente infeliz é quem o critíca.
Mourinho tem toda a razão.
Só que Mourinho não se pode esquecer que, tal como Ronaldo, a maior parte dos futebolistas troca bem cedo os livros pelas chuteiras.
A cultura geral de um futebolista, na grande generalidade dos casos, é muito baixa. A própria escolha lexical é, por vezes, miserável.
Somos algumas vezes enganados quando vemos e ouvimos as declarações de algum jogador e não conseguimos detectar nenhuma "calinada" e até nos parece que estamos perante alguma sensatez e eloquência...
Mas basta reparar que as declarações de futebolistas, treinadores e dirigentes são tiradas a papel químico.
"Jogámos bem, a equipa está bem, estamos a atravessar um bom momento de forma e esta vitória foi muito boa a nível anímico"; "Prefiro não comentar o trabalho do árbitro mas julgo que teve influência no resultado".
Frases feitas, daquelas que saem automaticamente da boca dos futebolistas de tantas vezes que as ouviram.
E, pior, é quando temos Jaime Pacheco, Carlos Brito, Jorge Jesus ou mesmo Manuel Machado (que ostenta o título de professor) em conferência de imprensa. São ataques constantes aos ouvidos e à gramática.
Mas não são os únicos.
Paulo Sousa, Secretário, por exemplo, são comentadores desportivos! Deus Meu! Mas vão comentar o quê? "ah, sim, o 4-4-2 montado pelo professor Neca pode ser a solução para este jogo porque encaixa na estratégia de 5-4-1 do Leiria". Ena...sabem contar!
O mundo do futebol é um mundo de homens que foram crianças com um sonho, um sonho de jogarem à bola, de serem famosos e de serem ricos, um mundo de putos que trocaram a educação pelo relvado.
Uns chegam a um período da vida em que, por eles, acabam por evoluir e adquirir outros conhecimentos, outros, a grande maioria, estagna e acabam por chegar aos 40 e tal anos como dois elementos da escola de laterais direitos do FC Porto. João Pinto e Secretário são atentados autênticos a quem tem um mínimo de exigência.
São o espelho do mundo da bola, em que se pensa com os pés e se usa a cabeça para acertar na bola...


FOI PROFUNDO!

sexta-feira, abril 13, 2007

Igreja VS Máfia

Será que só eu é que reparo que na Igreja e na Máfia há semelhanças?
Se os bispos recebem o "título" de Dom e os padrinhos são Don, não haverá alguma semelhança nas hierarquias destas duas "instituições"?
E será que é só esta a semelhança?




FOI PROFUNDO!

A1 VS EN1

Já ando há algum tempo insatisfeito com a A1. O valor pago nas portagens aumentou e as obras também. Tal como já referi num post anterior, ao aumento do preço corresponde uma diminuição da qualidade.
Talvez por isto, resolvi experimentar a EN1.


Alertado para o tempo extra que a viagem demora e para o trânsito ou falta de fluidez do mesmo, ainda assim arrisquei.
E as vantagens são compensadoras. Além de andar menos rápido (ou, como se diz em algumas culturas, mais devagar) e diminuir o consumo, também nao gasto mais combustível, e a diferença de tempo gasto na viagem nem se nota se tivermos a escolha musical ideal - caso estejamos sozinhos, ou a companhia ideal.
Não sei se irei manter a escolha, mas não duvido que é uma opção a repetir.
É caso para dizer:
Vão roubar para a estrada! Nessa não caio de novo.

FOI PROFUNDO!



Arrumador VS Parquímetros

Há coisa de um mês deixei o carro no Parque dos Restauradores. Entrei e ainda ia na descida de acesso quando parei o carro, olhei para esquerda e li: "15 minutos - 90 cêntimos".
Fiz o percurso até à saída e meti o cartão.
2 minutos dentro do parque e o cartão dizia: "90 cêntimos". Não podia sair sem pagar.
Deixei o carro...
Este é dos parques mais caros que já encontrei mas, mesmo assim, dá que pensar.


A gente queixa-se dos arrumadores e torce o nariz ou diz que não há trocos quando é para soltar um mísero euro para os rapazes, mas não temos problemas em pagar somas absurdas para deixar o carro num parque que não tem nada de especial, apenas pisos atrás de pisos de betão com uma cancela à entrada e à saída e uma máquina que nos leva vários euros se queremos estacionar num lugar onde estamos igualmente sujeitos a alguém nos riscar o carro ou nos baterem no carro, com o bónus de andarmos a "snifar" uma concentração elevada de monóxido de carbono.
Por mim prefiro os arrumadores.
Não volto a negar uma moeda aos rapazes.

FOI PROFUNDO!



Xau Benfica!


Eu até costumo torcer pelas equipas portuguesas, sejam elas quais forem, quando disputam jogos internacionais, mas desta vez não.
Estou contente que o Benfica tenha sido eliminado.
Já estava farto de ouvir aquela lengalenga "então e o teu Sporting joga esta semana contra quem na Champions? Ah pois, já foram eliminados, desculpa!".
Eu não peço desculpa. Nem foi mau de todo empatarem com o Espanyol.
Não jogam nada e conseguem umas grandes penalidades para o Simão ir dando umas vitórias.
É que mesmo não sendo portista sempre vou tendo algum prazer quando vejo o FC Porto a jogar, agora o Benfica? Pelo amor de Deus!


FOI PROFUNDO!

terça-feira, abril 03, 2007

À procura de...nada

Sinto-me um bacalhau ao sol, tal é a tremenda seca que estou a apanhar sem nada que fazer.
Da mesma forma que não tenho nada para fazer, fui ao google procurar isso mesmo: nada.
E como a moleza era tanta, nem no google entrei.
coloquei http://www.nada.pt/ e vejam onde fui parar.


FOI PROFUNDO!

Vou já a correr! Ou a nadar...

Pasmem-se os mais incautos!
Recebi um email que continha apenas e só isto:



Como sou de Coimbra, moro em Lisboa e estive apenas três dias da minha vida no Funchal, pergunto-me qual o porquê de ter recebido esta missiva no meu email pessoal.
Padrinho, desculpe mas não o posso ajudar...

FOI PROFUNDO!

sábado, março 31, 2007

Mundo de Aventuras

Quem o viu...



...e quem o vê!



O talento vocal e musical é hereditário.



FOI PROFUNDO!

sexta-feira, março 30, 2007

'Tá bem, vai...

Estes gajos são os OK Go e têm um clip simplesmente genial, merecedor de uma menção neste cantinho internético.



Ainda me doem as pernas da minha última experiência com uma destas passadeiras/esteiras!

FOI PROFUNDO!

Um pouco de auto-promoção

Nascido a 3 de Novembro, eu sou um menino do signo escorpião.

Hoje li o seguinte:


EXTREMELY sexy.
Talkative.
Energetic.
Predict future.
Most erotic.
Freak in bed.
GREAT kisser.
Not one to mess with.
Always get what they want.

Impressionante!
Eu gosto especialmente do EXTREMELY sexy, do Freak in bed, Most erotic e GREAT kisser.
Não confirmo nem desminto...nem desminto...nem desminto...nem desminto...nem desminto...


FOI PROFUNDO!

Salazar, esse grande português

Muito se discute por estes dias a eleição de António de Oliveira Salazar como o Grande Português.
Avaliados os aspectos positivos e os negativos, o ditador e estadista português venceu personagens históricas como D. Afonso Henriques, Camões ou o Infante D. Henrique.
Na verdade eu até compreendo.
O homem é um visionário!
Como era possível que o fundador da nacionalidade ou o pai dos Descobrimentos vencerem o homem que antecedeu o Viagra, conseguindo manter a ditadura durante 36 anos. E há gente que não consegue ter quanto mais manter mantém a sua dita dura e tem de recorrer ao Viagra.



Segundo a página da RTP, Salazar "Dirigiu, de forma ditatorial, os destinos do País durante quatro décadas. Foi ministro das Finanças, presidente do Conselho de Ministros, fundador e chefe do partido União Nacional. Afastou todos os que tentaram destituí-lo do cargo. Instituiu a censura e a polícia política. Criou dois movimentos paramilitares: a Legião e a Mocidade Portuguesas. Mas equilibrou as finanças públicas, criou as condições para o desenvolvimento económico, mesmo que controlado, e conseguiu que Portugal não fosse envolvido na II Guerra Mundial. Manteve a separação entre o Estado e a Igreja. Figura controversa, marcou sem dúvida a história do País.

“Sei muito bem o que quero e para onde vou”, disse António de Oliveira de Salazar na tomada de posse da pasta das Finanças, em 1928. E durante quase 40 anos assim foi. “Em rigor, foi o primeiro-ministro de um rei absolutista”, diz Marcelo Rebelo de Sousa. “Primeiro-ministro, a que uns chamarão déspota esclarecido e outros iluminado. Governou em nome do povo, substituindo-se a ele e invocando a Nação.”

Salazar nasceu no dia 28 de Abril de 1889. Para os pais, um casal de agricultores de Santa Comba Dão, era a resposta às suas preces. Maria do Resgate, de 44 anos, dera à luz quatro filhas e já quase perdera as esperanças de deixar no mundo um filho varão. Tratado quase como um milagre, teve direito a aulas particulares até à entrada no seminário diocesano de Viseu, em 1900. A sua inteligência e vontade de aprender deram frutos: obteve a equivalência do liceu com 19 valores e decidiu-se pelo curso de Direito, em Coimbra. Na cidade dos estudantes fez uma das suas poucas amizades, que manteve ao longo da vida - o padre Manuel Cerejeira, futuro cardeal. “São duas pessoas muito curiosas do seu tempo”, lembra a historiadora Irene Pimentel. “Salazar e Cerejeira foram marcados pelo catolicismo e pela política católica, a chamada democracia cristã.”

Durante este período, Salazar liga-se à ala católica, anti-republicana. Faz parte do Centro Académico da Democracia Cristã e escreve artigos de opinião em jornais ligados à Igreja. É, assim, com naturalidade, que concorre por Guimarães como deputado ao Parlamento. Demora-se no cargo apenas três dias. Desiste e regressa a Coimbra.

Salazar regressa à sede do poder em 1926. A crise económica, entretanto instalada, e a instabilidade política da I República tinham levado ao golpe militar de 28 de Maio. Professor de Coimbra, muito considerado, recebe a pasta das Finanças. Desta vez, demora-se mais tempo no cargo: 13 dias. Por não ver satisfeitas as condições que impusera como indispensáveis, demite-se. Sabe que, mais cedo ou mais tarde, precisarão dele.

Menos de dois anos depois, o convite é repetido. Exige em contrapartida o controlo sobre as despesas e receitas de todos os ministérios. Entre 1928 e 1929 consegue um superavit nas finanças públicas. Aquele que se afirmava como um não-político, iniciava uma carreira meteórica. “Salazar tinha aquela concepção de que há uma elite política, que é a do regime, que está toda reunida num partido único, a União Nacional, e Salazar, que é um ditador. Depois, há todas as outras pessoas, que deviam deixar-se governar. Evidentemente, é a tal história: manda quem pode, obedece quem deve. E, para isso, não se faz política”, diz Irene Pimentel.

Em 1930, como alternativa à ditadura militar, imposta em 1926, e às sucessivas revoltas da oposição democrática, Salazar funda o partido União Nacional. Prepara-se para tomar o poder. Este seria o denominador comum de todos quantos quisessem servir a pátria. “Tudo pela Nação, nada contra a Nação”, dizia.

Político exímio, o ministro das Finanças da ditadura militar consegue afastar os sucessivos presidentes do conselho de ministros militares nomeados. Acaba por assumir o governo do País em Abril de 1932.

No ano seguinte, faz ratificar uma nova Constituição, apesar de uma abstenção de 40% (considerados votos a favor). O seu poder pessoal passa a assentar em bases sólidas. Cria a Polícia de Vigilância e Defesa do Estado (PVDE), mais tarde Polícia Internacional e de Defesa do Estado (PIDE), uma polícia política. Proíbe as oposições e impõe, com o partido único, um regime totalitário. Chama a si o despacho directo dos pelouros sensíveis, onde se inclui a propaganda e a censura. “Só para dar alguns exemplos, não havia suicídios em Portugal, porque a censura censurava os suicídios. Não havia conflitos sociais, porque a censura censurava os conflitos. Enfim, ele tentou criar a imagem de uma sociedade perfeita”, continua Irene Pimentel.

A vontade de mudança surge com o fim da II Guerra Mundial, em 1945 e 1949, com a criação do Movimento de Unidade Democrática (MUD), mas sobretudo em 1958, nas eleições presidenciais. O general Humberto Delgado - que fora seu activo colaborador - congrega à sua volta a oposição e provoca uma onda anti-salazarista. O chefe do Conselho de Ministros defende-se, reforçando a acção repressiva. Altera a Constituição e torna a eleição presidencial dependente de um colégio eleitoral da confiança do regime.

Com a perda da Índia Portuguesa, em 1962, e o início da guerra em África, no ano anterior, Salazar já não tem a mesma confiança no povo português. Em conversa com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Franco Nogueira, desculpa-se: “Se em lugar de governarmos este país, governássemos outro, conseguia-se mais. Neste, a gente puxa mas, como não dá, temos a tendência para nos nivelarmos à massa.”

“O essencial do seu pensamento é este”, explica Marcelo Rebelo de Sousa: “A ideia do equilíbrio económico-financeiro e da autoridade que deve controlar a liberdade. A ideia de um Portugal projectado no mundo através de um império, e não integrado na Europa. A ideia de um país que vivesse de forma comedida, sem excessos de riqueza, luxo ou ambição. Portanto, governou Portugal à sua medida.”

Em 1968 a guerra em África matava os mesmos homens - e os seus filhos - que Salazar dizia ter salvado do conflito da II Guerra Mundial. A opinião pública já não o favorecia. Mas permaneceu no cargo. Até cair de uma cadeira. O que parecia não ter deixado mazelas transformou-se num hematoma craniano. Operado com urgência, volta a sofrer um acidente cardiovascular. É declarado incapaz e acaba exonerado do cargo. No entanto, morre sem o saber. Corria o ano de 1970. “Não conheço nenhum outro caso de uma ditadura e de um ditador em torno do qual, depois de ter saído formalmente do poder, se tenha construído uma ficção como a que se construiu em torno do Dr. Salazar. Construiu-se a ficção de que ele continuava a ser o primeiro-ministro”, lembra João Soares.

Com a sua morte, morre um regime que viveu da sua imagem. Mais de 40 anos passados, a polémica ainda está instalada: foi o salvador da pátria ou um ditador? “Como os fenómenos culturais são lentos a mudar, há uma certa inércia que fica na cabeça das pessoas. Essa inércia diz o seguinte: foi um tempo em que não havia democracia, nem liberdade, mas havia estabilidade, autoridade e um viver modestamente, mas em equilíbrio económico e financeiro”, explica Marcelo Rebelo de Sousa. “E essa ideia que ficou tem o seu lastro que, de quando em vez, vem ao de cima, porque 40 anos são muito na história de um povo.”"


Por acaso foi profundo.
Com esta votação acabamos por entender que, afinal, não são apenas os velhinhos saudosistas que dizem "o que fazia falta era o Salazar".
Eu não serei a pessoa mais certa para fazer esse tipo de julgamento, sempre vivi em tempos de liberdade, mas do que sei e do que aprendi sobre o Estado Novo e sobre os outros candidatos, não consigo conceber a ideia de Salazar como o vencedor da votação.
Afonso Henriques é para mim um herói, tal como também o tinha sido Viriato, este ainda não sendo português foi um dos primeiros responsáveis pelo aparecimento da pátria lusitana. O Infante D. Henrique é outro herói. Foi ele que planeou uma das maiores histórias da História mundial. Graças a ele e ao esforço de uma nação inteira que o seguiu Portugal foi, em tempos, um império e um dos mais poderosos do mundo.
É claro que ao pé disto, Salazar, ao conseguir que Portugal não tivesse de entrar num conflito de escala mundial, nem se compara! É muito superior! (olha a ironia e o sarcasmo...tão lindos...)
Ao ter em Salazar um vencedor, aqueles que sempre foram vistos como heróis - homens como Salgueiro Maia, Álvaro Cunhal, Manuel Alegre, Otelo Saraiva de Carvalho, Zeca Afonso e muitos mais figuras conhecidas e desconhecidas, de entre eles todos os estudantes que se opuseram ao regime fascista e foram por isso torturados - são agora o quê? Um bando de rebeldes que tentaram opôr-se àquele que era, no fundo, o Grande Português?
Neste país é tudo assim...mas eu gosto disto aqui...

FOI PROFUNDO!

quinta-feira, março 29, 2007

Tou à COCA(S)



FOI PROFUNDO!

CAGA nisso


CAGA: Clube dos Amigos do Gabriel Alves.



Este foi um dos vastos temas de conversa de uma noitada à porta da PJ enquanto as várias equipas de reportagem esperavam a saída dos senhores da Universidade Independente e seus respectivos advogados.
O camarada da RTP era um "expert" em José Cid e um homem dos relatos de futebol.
Assunto não faltou.
Em homenagem ao CAGA e a Gabriel Alves, aqui ficam as pérolas:


Gabriel Alves: Intervalo de um jogo.
Um fedelho qualquer está agarrado às redes que separam as bancadas do relvado. Comentário do Gabriel com um sorriso nos lábios:
"Os putos vão à bola... e gostam..."

Campeonato do mundo dos EUA, jogo Suécia-Roménia, comentário a uma jogada de ataque da equipa romena:
" George Hagi, estratega da equipa....(pausa enorme).... Raducioiu(lido assim mesmo) ..........(Nova pausa)..... Já perdeu tempo de remate. Golo."
Deve-se acrescentar que desde o suposto erro do avançado romeno até ao golo passaram-se algumas milésimas de segundo.

Jogo da Supertaca 95 (Sporting- Porto) em Paris:
"Superavit tecnicista dos centro-campistas do Sporting em relação aos do Porto"

Jogo do Sporting: "Juskowiak a vantagem de ter duas pernas!"

Gabriel Alves, numa descrição de "detalhada" de um estádio de futebol:
"É um estádio bonito, moderno, arejado..."

No fim dum jogo da selecção nacional:
"A selecção não jogou nem bem nem mal, antes pelo contrário..."

Ouve-se no estádio, algum público a gritar: "Ó Pinto da Costa, vai pró ca._.".
Diz Gabriel Alves, no mesmo instante:
"O público entusiasmado... a apoiar as duas equipas..."

Durante a Final da Taça UEFA, entre Bayern e Bordéus:
"Reparem como os jogadores do Bayern movimentam-se descrevendo figuras geométricas..__ O futebol é uma arte plástica.... "

Comentário num jogo do mundial dos E.U.A (94):
"Uma humidade relativa, muito superior a 100%..."

Durante o Euro96, no primeiro jogo Alemanha-Rep.Checa, Gabriel Alves afirma entusiasticamente:
"Existem muitos jogadores alemães a jogarem no campeonato germânico"

Brilhante comentário técnico, de Gabriel Alves, acerca do golo, invalidado no jogo Euro96, Roménia-Bulgária(?), onde a bola bateu na trave e tocou no interior da baliza, junto à linha de golo:
"De facto foi golo, com a bola a bater A MAIS DE 2 METROS para lá da linha de golo"

Durante o Euro96, o brilhantíssimo e querido comentador Gabriel Alves afirmou vezes sem conta, em todos os jogos onde participaram jogadores estrangeiros, que jogam em Itália, que estes são.... e passo a citar, "possuidores de toda a escola italiana de futebol"
Gabriel Alves:"OOOOOhhhh, toda a escola italiana a mostrar-se na técnica individual do jogador ...".

Durante o aparatado encontro entre SL.Benfica(0) e FC.Porto(5), ouve-se a certo momento, Gabriel Alves, a tecer o seguinte comentário:
"Jardel.... um jogador com um tempo de salto de 70 centímetros..."

Gabriel Alves, no decorrer de um jogo afirma: "Lá vai o rapidíssimo Lentini"

Gabriel Alves, outro brilhante e típico comentário:
"Um passe para uma zona de ninguém, onde realmente não estava ninguém!"

No estádio José Gomes, do Estrela da Amadora (Reboleira), a "mítica" dupla, Francisco Figueiredo/Gabriel Alves trava o seguinte diálogo:
GA: "...relvado em muito más condições para a prática do futebol. Não é assim Francisco Figueiredo? _ conforme podes constatar aí em baixo no relvado...
FF: "Confirmo, péssimas condições!! E eu que vim para o campo de SAPATINHOS FINOS..."

O Grande Gabriel,no Suécia-Roménia do Mundial 94,após o golo de empate dos suecos:
"Kenneth Anderson, 1 metro e 93 de golo..."

Joaquim Meirim no Euro96, e a título de improviso, quando a RTP não conseguia estabelecer a ligação audio com, Gabriel Alves:
"Desde que o jogo começa, há sempre a hipótese de acontecer um golo"

Comentador desconhecido da RTP1; Durante um jogo do Benfica:
"Lá vai Paneira no seu estilo inconfundível ... (pausa) ...mas não, é Veloso"

Durante o mundial de juniores disputado em Portugal, pode-se ouvir o comentador desportivo da RTP, José Nicolau de Melo, vivamente anunciar que o jogo COSTA DO Brasil - Marfim iria ser transmitido nessa noite (ou tarde).

Ouve-se Costinha, com a bola na mão, dizer "Pró ca_..!".
Diz o comentador :
"Muito bem, Costinha a incentivar os companheiros, e a mandá-los para a frente..."

Num jogo do Benfica, Artur Jorge aprontava-se para fazer uma substituição na equipa, sendo a hipótese mais provável, a entrada de Helder no jogo. Diz o comentador:
" Dos jogadores que estão a aquecer, Helder foi o que já tirou os calções".

Na sucessão de vários erros típicos do árbitro em campo,ouve-se o brilhante comentário:
"...e o Árbitro foi agora atingido por um objecto estranho, provavelmente atirado por um TELESPECTADOR..."

Nos prelúdios de uma partida de futebol entre o Paços de Ferreira e o FC Porto, o comentador afirma:
"Vamos concerteza assistir a um grande derbie minhoto..."

Em directo na RTP, após o jogo, que consagrava o FC Porto,como campeão nacional, e no momento em que passava uma fanfarra de Bombeiros,ouve-se o seguinte comentário:
"Aqui um rancho folclórico a juntar-se às festividades do FCP..."

Comentário final, de um jogo transmitido em directo na RTP:
"Tratou-se de um jogo, incolor, insípido e inodoro..."

João Pinto (FC Porto)
Esta frase saiu numa situação em que o JP estava lesionado ou castigado e não podia jogar. Perguntaram-lhe se a sua ausência não ia influenciar no rendimento da equipa (ou outra coisa do género):
" Comigo ou SEM-MIGO, o Porto vai ser campeão! "

João Pinto foi receber um prémio qualquer e produziu o seguinte discurso:
"O meu coração só tem uma côr: azul e branco."

Repórter: - João Pinto, prognósticos para este encontro?
JP: - Prognósticos só no fim do jogo.

Repórter: - João Pinto, felicidades para o jogo.
JP: - Obrigado, igualmente.

No fim de um jogo que o Porto ganhou:
Repórter: - João Pinto, felizes com mais esta vitoria?
JP: - Sim, estamos felizes porque estamos contentes.

Neste jogo, JP tinha marcado um golo num remate de primeira.
Entrevistado no fim do jogo, teve a seguinte afirmação:
"Não foi nada de especial, chutei com o pé que estava mais à mão!"

Num domingo , depois do jogo com o Boavista:
" [O Rui Filipe] ...era um jogador com "H" muito grande, e um homem com dois "HH" muito grandes."

Estágio da selecção, os jornalistas estavam a fazer uma reportagem sobre os tempos livres dos jogadores. Chegou a vez do nosso querido J.Pinto. Quando lhe perguntaram o que ele costumava fazer nos tempos livres do estágio, ele "inteligentemente" diz:
"Costumo fazer (isto), (aquilo), (aqueloutro), ver TV, ler...".
Vai daí, o jornalista pergunta-lhe: ...então e o que costuma ler?... Jornais?
J.P. - Sim.
Jornalista - E livros, não lê?...
J.P. - Sim... CLARO! Por acaso, ando a ler agora um, que até tenho em cima da mesinha de cabeceira...
Jornalista - Ah sim, então e qual é o titulo do livro?
J.P. - (um pouco embaraçado) Hum... Hum... Não me lembro...

Outro fantástico comentário de J.Pinto:
"O meu clube estava à beira do precipício, mas tomou a decisão correcta: Deu um passo em frente...."

Diamantino (Benfica)
Ao intervalo, o Benfica ganhava por 1-0, e Diamantino afirma:
"Estamos a jogar bem, conseguimos marcar o 1-0... Na segunda parte iremos trabalhar para marcar o segundo 0..."

Helder (Benfica)
Helder foi convocado para a selecção (parece que ia jogar mesmo no onze inicial), perguntaram-lhe se o jogo ia ser muito importante:
" Vai ser um jogo muito importante, particularmente para todos os portugueses e em geral para mim. "

Veloso (Benfica)
Isto passou-se em 95, quando os jogadores do Benfica entraram num suposto "Blackout" informativo. Veloso, como capitão, teve a honra de ler o comunicado e, pelos vistos, nem isso soube fazer:
"Os jogadores do Benfica permanecerão em "blackout" enquanto toda a verdade não for RESPOSTA."

Paulo Futre (Regiana)
Algumas semanas depois de ter abandonado o Atlético de Madrid, e na época já a jogar no campeonato italiano:
"A minha vida transformou-se completamente... Deu uma volta de 360 graus!"

Jorge Cadete (Sporting)
No jogo, Portugal-Escócia em que obtivemos uma brilhante vitoria, por 5 - 0, Cadete foi substituído praticamente no final do jogo, por consequência de uma lesão. No momento foi prontamente interpelado por um repórter da TV.
Repórter: - "Então Cadete, está magoado?"
J.Cadete: - "Não, não. Estou muito feliz."

Pinto da Costa (FC Porto)
No Portugal - Suíça, jogado no estádio das Antas, a contar para a fase de apuramento para o Mundial dos EUA, o omnipresente João Pinto (FCP) enviou a bola à trave da própria baliza ao tentar fazer um corte. Comentário do presidente portista:
"Chutou à barra?.. Ah, foi para não ceder canto..."

Anónimo (Vitória de Setúbal)
Um jogador não identificado do Vitória de Setúbal, aquando da suspensão de vários jogadores por causa dos maus resultados, em entrevista à rádio:
"Não somos só nós que estamos a jogar mal... Querem é fazer de nós bodes RESPIRATÓRIOS. "

FOI PROFUNDO!

terça-feira, março 27, 2007

Estou "CIDerado"

Porque ele é o maior.
Porque ele é a mãe do Rock português.
Porque ele é...Cid, José CID.


















FOI PROFUNDO!

P.S. Quarta-feira a Joana Latino vai oferecer ao "je" um pequeno poster autografado pelo Frank Sinatra português!!! IUPIIIIII!

EU não vi isto!!!

Esta tirada foi magnífica!
Os "Gatos" estão cada vez melhores nas sátiras sobre a corrupção em Portugal.



Estes são sobejamente conhecidos mas aqui ficam:










FOI PROFUNDO!

segunda-feira, março 26, 2007

Jornalista ecológica?

Caso "energúmeno" foi adiado.

O juiz do Tribunal do Bolhão agravou, ontem, a qualificação jurídica de um alegado crime de difamação ao presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, imputado ao cronista do jornal "Público" Augusto M. Seabra . A alteração resultou no adiamento da sentença. O cronista escreveu, em Junho de 2003, sobre a polémica em torno da Casa da Música, utilizando a expressão "o energúmeno que encabeça a maioria da Câmara [do Porto]". Ontem, dia de leitura da sentença, o magistrado considerou que o facto da crónica ter sido publicada num órgão de Comunicação Social altera a qualificação jurídica dos factos. A mudança agrava a moldura penal, que até aqui se fixava nos seis meses de prisão, ou pena de multa até 240 dias. Com a alteração, o arguido poderá, agora, incorrer numa pena de prisão até dois anos ou pena de multa não inferior a 120 dias. O advogado de defesa do arguido, Teixeira da Mota, requereu 20 dias para se pronunciar sobre a alteração, mas o magistrado concedeu-lhe apenas dez. O prazo foi considerado pelo advogado de Augusto M. Seabra irregular já que "representa uma diminuição dos direitos de defesa". Teixeira da Mota requereu a nulidade da decisão, pedido que apreciado dentro de cinco dias. "Depois deverá ser aberta a conclusão com vista a decidir sobre a apontada irregularidade", determinou o juiz, acrescentando que "no despacho ficará marcada a data para leitura da sentença". No julgamento, que começou em Fevereiro, Augusto M. Seabra argumentou que ao utilizar a palavra "energúmeno" não pretendeu atingir pessoalmente Rui Rio, mas fazer uma consideração política sobre o comportamento que entende que o presidente da Câmara teve ao exigir a demissão de Pedro Burmester da Casa da Música. O autarca considerou, no entanto, que o artigo foi "insultuoso". "Energúmeno é um insulto, como muitos que se usam na língua portuguesa", afirmou o autarca.

Inês Schreck

Quem leu a notícia do JN toda perdeu o seu tempo.

Apesar de não ser de todo desinteressante, o único motivo pela qual a postei aqui está bem no finalzinho.

É o jornalismo ecológico. Agora o JN tem jornalistas verdes. A Inês Schreck deve ser familiar do ogre e, como tal, exibe essa bonita cor que é a cor da esperança!


FOI PROFUNDO!

Banda sonora das saídas à noite

Invariavelmente, sempre que saio à noite esta é a "playlist" que toca no leitor de mp3 do meu veículo.
Já faz parte de um ritual e, mesmo quando me esqueço ou tento introduzir alguma novidade, quem me acompanha nas noites de boémia já sente a falta das bonitas músicas.
Infelizmente não encontrei o grande "hit" "vamos pr'a banheira/vamos prá banheira/vamos prá banheira porque hoje é sexta feira"
Com vocês...Comme Restus:

MORTE AOS CIQUELISTAS


EU XAMOME ÃTÓNIO


AS BÓIAS SÃO NOÇOS AMIGUS


EU XAMOME ÃTÓNIO


AMANDA-ME CÔA PAXAXA PUS DENTES


FOI PROFUNDO!

domingo, março 25, 2007

Teóricos da bola


Há pessoas irritantes!
Ultimamente os que me irritam mais são aqueles sabichões que gostam de fazer de conta que sabem muito sobre desporto.
De repente lembro-me de alguns nomes:
Joaquim Rita, Miguel Sousa Tavares, Rui Santos, Leonor Pinhão...
Às vezes gostava que houvesse por aí uns Sérgios Godinhos, daqueles que comentam mas fazem questão de dizer que não percebem muito.
Joaquim Rita faz comentários que são de bradar aos céus! Dou por mim a perguntar aos meus botões se por acaso eu estive a ver o mesmo jogo que o J.R.!
Miguel Sousa Tavares é aquele indivíduo que têm um cérebro notável mas um problema grave nos processos de comunicação do cérebro à boca, Resultado: sai muito ruído. E é assim em tudo, não só nos comentários sobre futebol. Na bola está condicionado pela sua visão tendenciosa azul que o faz vomitar barbaridades. No resto...bem, cada vez que me lembro do MST ter dito que um estudante de Coimbra gasta numa noite de copos o dinheiro das propinas, indaguei-me: a) faria ele ideia que o valor actual das propinas não é bem o da taxa que se pagava quando ele andou na universidade; b) imagino que o MST fosse menino de beber que nem um camelo ou de ir a lugares bem caros (isto para nao dizer que ia às putas) para gastar tal soma de dinheiro; c) o MST gosta de proferir declarações idiotas e rídiculas por puro prazer.
Rui Santos começa por demonstrar que tem alguns problemas só na sua maneira de vestir. Os fatinhos e as gravatinhas devem ser escolhidos pela produção do Batatoon. As opiniões do senhor são no mínimo discutíveis. Eu não percebo muito de futebol mas há coisas que são óbvias e o RS (não confundir com o grande Ricardo Sousa do Diário de Coimbra, esse sim um entendido em desporto) parece querer apenas ser diferente e armar-se em pseudo-intelectual da bola.
Leonor Pinhão... Esta senhora é um fenómeno inexplicável. Foi-me dito por um daqueles profissionais de verdade do jornalismo português que a Leonor Pinhão escreve muito bem e foi uma grande jornalista. Não duvidando da palavra de quem me disse tal, custa-me a crer. Não há uma única vez que eu leia um texto da LP que não me pergunte como é possível alguém defecar tamanhas atrocidades! (no jornal a Bola, que não é propriamente o DISPENSO).
Desde os diálogos imaginados pela criança de 5 anos que povoa o inconsciente (leia-se "cérebro" ou "intelecto") da LP até ao último texto que li, os arrotos de imbecilidade começam a não me espantar.
Quando li há poucos dias a coluna da LP onde ela dizia que tinha torcido pelo FC Porto só para não torcer pelo Sporting entendi que os problemas da senhora são bastante graves.
Há anos que aprecio futebol e que vibro com as boas exibições do Porto (do Benfica é mais difícil porque não tem tido equipas de deslumbrar) sem deixar de torcer pelo meu Sporting ou pela minha Académica.
A clubite é um mal deste país que temos e que impede as pessoas de apreciar o desporto. Quantas vezes vemos um "rival" jogar bem? Quantas vezes vibramos com um bom resultado europeu de um clube que não o do nosso coração? Raramente. E porquê? Porque somos deste ou daquele clube.
É tolice e quem perde é quem, afundado na sua clubite, não consegue tirar prazer do que é a essência do desporto.
E mais!
Ver um jogo de um clube que não o nosso tem grandes vantagens: não estamos nervosos durante os 90 minutos e no final da partida não nos vamos lamentar com uma derrota.
De entre as pessoas que referi acima há dois tipos de "experts" (que aqui se poderia cair na tentação de traduzir como espertos): os que são mesmo idiotas porque sim (JR ou RS) e os que o são porque a sua clubite os cega (LP).
O MST joga nas duas equipas.

FOI PROFUNDO!

Este tipo tem problemas!!!

Nem sei o que dizer.
Este tipo ou é parvo ou é mesmo talentoso!





FOI PROFUNDO!

Comer belgas pela primeira vez

Começo este post por dar os parabéns à selecção nacional de râguebi.
Uma derrota por 18-12 em Montevideu foi suficiente para garantir a presença no Mundial de França em Setembro.
Os "Lobos" tinha ganho por 7 pontos em Portugal e os 6 de diferença no Uruguai deram uma vantagem preciosa que colocou os "tugas" pela primeira vez numa fase final do Mundial.


Por cá, a selecção principal de futebol recebeu os belgas.
Num ambiente bastante tenso devido às declarações (empoladas ou deturpadas, não se sabe) do guarda-redes belga, já na chegada ao aeroporto da Portela tinha havido "batatada".
A impresa desportiva não quis colocar água na fervura e ajudou a piorar os momentos que antecederam a partida.
Scolari, por seu lado, tentou serenar as hostes e apelou à calma e ao fair-play.
A capa do Record era algo de ridículo e esteve ao nível das supostas afirmações de Stijnen, o "keeper" da Bélgica que falou em algo como colocar Cristiano Ronaldo K.O. logo nos primeiros minutos de jogo e depois reformulou dizendo que apenas queria dizer que podia ser necessário "partir alguma tíbia".

Violência com violência, de arrumar Ronaldo e partir tíbias passou-se para uma "sova".



Scolari surpreendeu, já que se esperava que entrassem de início Hugo Viana e Hugo Almeida.
Os Hugos ficaram no banco e para o seu lugar entraram João Moutinho e Nuno Gomes.
Boas escolhas, como se pode ver no final do jogo, já que os dois construiram o lance do primeiro golo: Moutinho centrou, Nuno Gomes empurrou para o fundo das redes.
Nos primeiros instantes da partida pareceu-me notar alguma dislexia por parte dos belgas. Quaresma foi sucessivamente ceifado! Era suposto ser o Ronaldo, não?
Golos só na segunda parte.
Primeiro foi o tal golo de Nuno Gomes, depois, um cruzamento de Quaresma apanhou o guardião belga mal posicionado e Cristiano Ronaldo aproveitou o brinde para cabecear para o segundo. O terceiro foi um monumento ao bom estilo de Ricardo Quaresma: recebeu, dominou com uma finta fazendo passar a bola de calcanhar para o seu lado esquerdo e depois com uma trivela fabulosa deixou o estádio inteiro a ver a bola aninhar-se no fundo da baliza.
Para terminar, Ronaldo fez duas ou três "bicicletas", puxou para o seu pé esquerdo e rematou sem hipóteses para Stijnen.
4-0!
Pontos negativos: o público constantemente a apupar os belgas. Uma primeira parte sem golos.
Pontos positivos: a atitude dos jogadores em campo. Os belgas não foram violentos, os portugueses jogaram bem na primeira parte e muito bem na segunda. No final do jogo houve uma troca de palavras amigável entre Ronaldo e Stijnen.

Nos portugueses, as laterais estiveram bem ocupadas, até Paulo Ferreira, pouco utilizado no Chelsea, esteve em bom plano. Miguel esteve sempre bem a defender e a atacar.
Ricardo Carvalho e Jorge Andrade tiveram poucas falhas e quando falharam Ricardo disse "presente" e defendeu com nível.
No "miolo", Moutinho mostrou o porquê de ser sempre utilizado no Sporting, jogando e fazendo jogar, Tiago fez talvez a sua melhor exibição com a camisola das quinas, Petit fez o que lhe cabia e confirmou o excelente momento de forma.
Quaresma foi brilhante, Cristiano Ronaldo também, embora não tanto quanto o seu companheiro da ala oposta.
Nuno Gomes marcou e foi talvez a unidade menos activa e visível.
Meira entrou e esteve muito bem especialmente nas trocas rápidas de bola com os seus colegas de meio campo, recuperando algumas bolas e distribuindo mais ainda.
Hugo Viana entrou bem também.
Nani foi o melhor dos suplentes. Entrado para o lugar de Quaresma não ficou atrás do jogador do FC Porto. Foi um quebra cabeças para os belgas que devem ter ficado a pensar que Cristiano Ronaldo não é, afinal, o único geniozinho luso.
Acabou por ser uma sova e espera-se que seja um bom tónico para o jogo de quarta-feira contra a Sérvia, o próximo adversário dos portugueses, que perdeu contra o Cazaquistão por 2-1.



FOI PROFUNDO!

sábado, março 24, 2007

Lesões no desporto

Um péssimo costume que tenho é o de ler os comentários no site do jornal Record.
Uma das últimas enormidades (palavra bem mais bonita e leve que alarvidades, termo que seria o mais apropriado) falava sobre lesões e sobre o desporto que teria lesões mais graves.
O autor do comentário dizia que as lesões mais graves seriam as proporcionadas pelo râguebi, comparando com as dos futebolistas.
Lembro-me, quando jogava basquetebol, que me deram uma folha onde explicava quais as zonas do corpo trabalhadas, quais os músculos desenvolvidos e quais os tipos de lesões mais frequentes em cada desporto.
Dizia também quais os deportos mais completos e quais aqueles passíveis de lesões mais graves.
Espantem-se os mais incautos...em primeiro lugar estava o basquete logo seguido do...ténis!
Ao que parece, o tipo de lesões dos praticantes de basquete seriam mais graves, além de mais abrangentes no que diz respeito às zonas atingidas. Entre as lesões mais graves estavam as roturas de ligamentos.

Obviamente que todos vemos o râguebi ou o boxe como desportos mais violentos, mas, de acordo com o que li, são lesões de mais fácil recuperação.
Para finalizar, devo dizer que o Mantorras ainda não jogava no Benfica aquando da leitura efectuada...


FOI PROFUNDO!

Força Lobos!


Amanhã todo o país vai estar a falar de futebol e do Cristiano Ronaldo e companhia, mas este sábado é dia de Uruguai x Portugal em râguebi.
Os "Lobos" vão disputar em Montevideu a presença no Mundial 2007 e vão tentar fazer história. Nunca a selecção portuguesa marcou presença em nenhuma fase final mundial da modalidade e nunca nenhuma selecção amadora esteve presente num mundial de râguebi.
Depois de ter vencido por 12-5 em Lisboa na primeira mão disputada a 10 de Março, Tomaz Morais e seus pupilos querem carimbar este sábado o passaporte para estarem em França no mês de Setembro.
Sim, porque ver râguebi na televisão não tem metade da piada de estar a levar porrada em campo eheheh!

FOI PROFUNDO!

Dispenso...

Porque tudo o que é dito é dispensável...
Porque tudo o que é escrito é dispensável...

Este é um blog onde se fala a sério e se brinca.
Quem não goste de ironia ou sarcasmo que feche esta página rapidamente!
Aqui ninguém tem razão.
Eu não pretendo estar certo, pretendo observar e pretendo fazê-lo de uma forma atenta e crítica...de uma forma dispensável.

Dispenso...um blog dispensável.

pessoas já dispensaram um tempinho para dar uma espreitadela