sábado, setembro 08, 2007

Arte e Cultura


Hoje não vou falar de bola.
Também não vou mandar piadinhas nem gozar com nada (talvez só um pouquinho).

Vou falar de um assunto levantado por uma menina que há uns dias questionava a relação actual entre os jovens e a arte.
Questão essa que eu resolvi tornar mais abrangente e ao invés de arte pergunto: como é que a malta mais nova se relaciona hoje em dia com a cultura?

Antes de tentar falar do que não sei (ou seja, dos outros), falo de mim.

Dentro da cultura devo dizer que mantenho uma saudável relação com a literatura (embora nem toda), com a música e com a sétima arte. Não sendo um cinéfilo, aprecio alguns filmes, desde os mais light que servem para descontrair o cérebro, até aos de trama mais elaborada, que servem para exercitar a massa cinzenta.
Musicalmente sou uma prostituta e das muito baratinhas. Ouço tudo, experimento tudo e depois acabo por ficar fã da maior parte das sonoridades.
Na literatura já sou um esquisitinho. Dêem-me livros baseados em factos reais e eu sou um homem feliz. Obviamente que se me colocarem à frente umas 20 mil léguas submarinas, uma Moby Dick, uns Maias ou um Ensaio sobre a cegueira (perdoem-me a ausência de aspas ou itálicos) eu agradeço...
Por acaso também sou fã de livros educativos, como livros de culinária ou o Kamassutra... mas isso são outras histórias.

Agora as minhas relações complicadas.

Pintura...o bonito ou feio na pintura são demasiado subjectivos e sou claramente um asno nesse campo... Há telas que, para mim, são um espirro de tinta e muitos tecem elogios rasgadíssimos. Não entendo, nunca vou entender.
A poesia (e estou a separar da restante literatura) é algo que me intriga. É bonito? É musical? Apela às emoções? Eu devo ser (ok, eu sou) um "pouco" insensível (estava a guardar as aspas para este momento) pois para mim uma cómoda serve para guardar roupa, quer tenha uma rosa em cima quer não. Não é pelo facto de conseguir que duas frases intercaladas acabem no mesmo som que o que dizemos tem maior significado. A mesma frase dita com algumas palavras numa ordem diferente vira um verso! Um poeta é um disléxico! Ok, estou a exagerar...
A poesia não tem nada de mal...é apenas uma forma mais trabalhosa de dizer o que poderia ser dito de uma maneira mais simples para que pareça mais importante ou mais sentido. Não admira que "poeta seja um sofredor", imagino o que deve sofrer para conseguir os malabarismos vocabulares/frásicos necessários ao nascimento de um poema.
E a escultura? Antigamente faziam-se esculturas fabulosas, imponentes, majestosas, lindas. Gosto daquela ideia de alguns artistas que dizem que se limitam a tirar os excedentes de um bloco de pedra para que apareça o que já lá estava. Agrada-me. O que me desagrada é que se apreciem certas e determinadas "peças" que alguns artistas conceituados resolvem vender e toda a gente gaba "porque é arte" e "a arte não foi feita para ser compreendida". Esses artistas (alguém me viu mencionar o nome Cutileiro?) gozam com a cara das pessoas. Se fosse um miúdo na primária a fazer uma réplica em plasticina mandavam-no para acompanhamento especial, chamavam os pais e recomendavam um psicólogo. Alguém ia dizer "o seu filho tem um dom natural!"? Não me parece.

Terceira parte: a cultura que eu esqueci.

Teatro, ópera (e de certeza que há mais).

Não vou ao teatro. Não sei porquê, se por comodismo, se porque é caro ou se porque se não estiver a gostar não posso mudar de canal para a FOX ou para a SPORTV. Com a ópera sempre tenho a desculpa de (acho eu) não haver grande oferta.
Mas gosto de ambos.
A TVI ultimamente passa umas coisecas de teatro, aliás, de revista à portuguesa e de adaptações de séries/novelas do canal para o palco. Não será bem bem teatro porque, no primeiro caso, é revista porque é feito à base de berros e de asneirolas (o público gosta, ri-se e faz aquele ar de comprometido como quem pensa "aiiii isso nao se diz! ihihih! marotos!"), no segundo caso é uma estupidez. Pegar no elenco dos Morangos com açúcar que mal sabe representar para tv e pôr os putos todos num palco é asneira. Serve para chamar os adolescentes e não lhes transmite o que é a realidade do teatro.

Conclusão:

O que eu penso é que a malta mais nova (no meu tempo éramos a geração rasca ou a geração X, agora é a geração morangos. eu não gosto muito de rótulos) não tem uma grande relação com a cultura.
Ou não lêem ou lêem os livros da moda (metam-me à frente um livro da Margarida Rebelo Pinto, do Nicholas Sparks ou do Paulo Coelho e eu considero isso um insulto); cinema ainda vá lá que não vá (que bonita expressão...tão...não diz nada e diz tudo!); museus e teatros nem vê-los, música só mesmo a que dá status, a que os amigos gostam, a que vende, a que dá nas discotecas; pintura e escultura...acho que estão piores que eu.
Mas ainda há o outro extremo. Aquela malta que acha que gostar de "cultura" é chique. Que lê escritores marados (aquela malta que leu a Aparição e gostou...), que ouve música erudita porque fica bem, que ouve Jacques Brel e outros cantores franceses porque fica bem, que vê bailado(mais uma que me tinha esquecido...não gosto mas respeito quem gosta embora não entenda muito bem), que vai ao teatro e dá opiniões sobre os dois últimos apesar de não ter entendido nada diz que "a mensagem que o autor/encenador pretendeu passar foi bastante profunda"...
E ainda há quem realmente gosta, essa imensa minoria.
(Eu sou um mix...)

Eu gostava de ser artista...mas gosto muito de matemática e ciências, daí que seja demasiado pragmático para entender certas demonstrações culturais.
Cada maluco...sua mania.


(NÃO) FOI PROFUNDO!

3 comentários:

_mely_ disse...

Vamos por partes e seguir o teu esquema.
Em primeiro lugar acho que a literatura tem estilos, epocas e autores suficientes para que todos se indentifiquem com alguma coisa (de qualidade obvio, não estou a falar de margarida rebelo pinto que tem a mania que escreve..n é artista nem aqui nem em marte)acho o típico "odeio ler ou ler?quê isso? uma aberração profunda.
HAAAAAh e o Kamasutra(verdadeiro) é uma GRANDE obra de arte (lol)
Em segundo lugar, o cin ema de hoje em dia limita-se a filmes com dois anos porque o resto já é muito velho. Filmes a preto e branco é condierado uma aberração..a maioria dos jovens de 17 anos não vão saber dizer quém é pasolini ou até kubrick. Só o argumento conta e o estético morreu.

Em relação à pintura, pode-se apreciar ou não uma obra.Se tivermos conhecimentos de autores, de correntes artisticas, de tecnicas etc.. pode-se interpretar, apreciar e identificar(ou nao9 com uma obra.Mesmo não gostando de uma obra de arte podemos considera-la como tal. No entanto acho díficil encontrar muitos jovens que saibam alguns pintores de varios séculos. O que é pena pois é sem dúvida uma marca de identidade e cultura de cada país.
Em relação à arte moderna(depois da segunda metade do século XX) não consigo perceber, não consigo apreciar e não sei como é que podem chamar a um a tela imensa azul com algumas manchas brancas,intitulado "os pássaros" uma obra de arte.É, na minha opinião um insulto ao passado.

O teatro como tu próprio disseste perdeu muita qualidade de hoje em dia, depois da segunda guerra mundial. Já não há tragédias e dramas como antigamente, há poucas comédias tão sarcásticas e inteligentes como antigamente...perdeu-se muito embora os "clássicos" estejam sempre presentes

Não vou comentar a parte da poesia pois sou uma apaixonada no entanto acho que não te deves limitar ao romantismo puro que se basea no sofrimento dum amor impossivel ou perdido. Há muito mais do que isso e em portugal há grandes poetas..

Para concluír. Acho sinceramente,embora este tópico tenha sido contestado quando o pus, que os jovens não se interessam tanto pela cultura. E por mais que digam "eu gosto, eu isto, eu aquilo" a maioria não sabe do que fala ou dí-lo porque "é bem".Isso revela-se na educação que tem por obrigação dar a conhecer esse tipo de coisas e não o consegue transmitir.

beijissimo*

an onibus disse...

Desculpem lá, mas acho as coisas não são bem assim. vocês estão aí a dizer mal da juventude, incultos, que não ligam nada à cultura e mais não sei o quê. aposto que vocês com a nossa idd (digo 17 anos) tb não gostavam coisas que os mais velhos gostavam!

Tb vocês eram de modas, tb vocês iam ver as vossas bandas preferidas, ou compravam os vossos lp's dos stones, pink floyd, ...
E de certeza que os vossos pais não gostavam dessas músicas!

Dizem vcs: "Ah, mas aquilo é q era música a sério, ñ é nada como aquelas porcarias q os putos ouvem agora!"

Isso são tretas! É tudo mto subjectivo, ñ se pode julgar as coisas assim! A evolução da cultura infelizmente é mesmo assim, por modas, quer se goste, quer não!

Na minha opinião é preciso ter uma mente aberta e absorver ao máximo. Só depois fazer juízos de valor. Eu sei quem é o Kubrick, eu gosto de teatro, eu tive aulas de pintura, de violino, de piano, pratico desporto de competição, e tal como ouço as músicas mais antigas, também ouço as músicas "da moda" e gosto de ver os morangos ou as chiquititas!

Meus amigos, é preciso dar crédito às pessoas e não começar a julgar a torto e a direito!

_mely_ disse...

trta é aquilo que tas a dizer porque se visses o meu perfil percebias que tenho a mesma idade do que tu logo todos os teus argumentos foram abaixo quando começaste com pseudo-acusações de não compreensão...

Dispenso...

Porque tudo o que é dito é dispensável...
Porque tudo o que é escrito é dispensável...

Este é um blog onde se fala a sério e se brinca.
Quem não goste de ironia ou sarcasmo que feche esta página rapidamente!
Aqui ninguém tem razão.
Eu não pretendo estar certo, pretendo observar e pretendo fazê-lo de uma forma atenta e crítica...de uma forma dispensável.

Dispenso...um blog dispensável.

pessoas já dispensaram um tempinho para dar uma espreitadela