quarta-feira, junho 21, 2006

O trânsito para mentes congestionadas

Hoje tive uma bela tarde.
Não vi o jogo em casa, fui visitar a minha avó e, na volta, fiz um desvio por Soure.
E o que tem isso?
Nada de especial, não fosse a plantação de semáforos entre Soure e Condeixa. E que plantação!
Salvo erro, são 14 ou 15!
O que faz todo o sentido, se pensarmos que aquela estrada praticamente só tem mato e arvoredo à sua volta, não queremos atropelar um pinheiro ou um eucalipto distraído a atravessar!
Faz-me lembrar quando fui a Pipa. Saí de Natal (o aeroporto mais próximo de Pipa é em Natal, para quem não sabe) e fui por uma estrada a cair para o miserável até ao lugar onde estavam os meus pais. Inicialmente, havia várias lombas mas, a certa altura, tudo acalmou, a estrada era plana e eu até adormeci...até ter sido surpreendido pelo regresso de mais lombas! Foi tão inesperado que o condutor nem deu por ela, não abrandou e eu bati com tanta força no tecto do carro que tive de agarrar o pescoço para ter a certeza que não o tinha partido.
Aqui há uns anos proliferavam as lombas ou bandas sonoras por Coimbra, pareciam cogumelos a brotar do chão, no entanto, um estudo que saíu há uns 4 aninhos e que dizia que essas lombas faziam mal à coluna, obrigou a Câmara Municipal a retirar esses incómodos altos. Eu não sei como é que ninguém processou o município por danos materiais. As lombas arruinam suspensões e direcções de qualquer automóvel! Quem deve ter ganho muito com isso foram as oficinas e os mecânicos.
No caso dos semáforos, a sua quantidade exagerada só pode querer dizer que quem ganhou com isso foi quem os fabricou.
Mas, para terminar, gostava de saber se alguém me diz quem sai a ganhar com as obras na margem esquerda do Mondego. É que não consigo perceber quem foi o engenheiro visionário que delineou aquela nova concepção de tráfico urbano de quem sai do Estádio Universitário e segue para o Portugal dos Pequenitos. Assim como não entendo o trajecto daquela ruazinha de quem sai do parque de estacionamento exterior do Estádio Universitário e passa em frente ao restaurante Alfredo.
Mas se calhar é por isso que eu fui para jornalismo e não para alguma coisa ligada a urbanismo...
E, também só se calhar, quem projectou estas mudanças fantásticas também teria mais talento noutra área qualquer...

FOI PROFUNDO!

2 comentários:

Karen disse...

Não escrevo por experiência própria, mas diz quem por lá conduz na hora de ponta que aquilo assim até dá muito jeito, que desembaraça bastante bem o trânsito. Para mim é dos sítios mais odiosos para conduzir cá em Coimbra...

Saurium disse...

Boa Tarde!
Realmente tem muitos semáforos mas posso garantir que nenhum deles se encontra em zonas florestais.
Até posso dizer que na Ega é a zona com mais semáforos visto mal passar duas viaturas pesadas.
Ja agora, gostava que visitassem o meu blog sobre Soure, obrigado!

http://vila-de-soure.blogspot.com/

Dispenso...

Porque tudo o que é dito é dispensável...
Porque tudo o que é escrito é dispensável...

Este é um blog onde se fala a sério e se brinca.
Quem não goste de ironia ou sarcasmo que feche esta página rapidamente!
Aqui ninguém tem razão.
Eu não pretendo estar certo, pretendo observar e pretendo fazê-lo de uma forma atenta e crítica...de uma forma dispensável.

Dispenso...um blog dispensável.

pessoas já dispensaram um tempinho para dar uma espreitadela