segunda-feira, setembro 10, 2012

Amigo Pedro

Olá Pedro, amigo.
Espero que te encontres bem, apesar de todos os sacrifícios que tu, cidadão, tens que fazer por imposição do Pedro, PM.
Sabes, amigo, antes do teu (des)governo ter convidado os portugueses a procurar a sorte no estrangeiro, eu já tinha tomado essa iniciativa. Depois das sábias palavras, fiquei à espera que fossem feitos acordos com, pelo menos, países de língua oficial semelhante à nossa, mas foi pura ilusão.
Dizer ao pessoal "vão" e não fazer nada, é o mesmo que mandar os teus amigos dar uma curva e ver se chove.
Não sei se te ensinaram, mas quando foste eleito, deram-te poder para tomar medidas, não foi só para praticar a oratória. Para isso bastava seres líder do teu partido e mandavas umas postas de pescada sem teres qualquer obrigação efetiva.
Olha, Pedro, amigo, eu sei que antes de ires para o governo dizias que o outro rapaz que tirou um curso duvidoso (ao contrário do teu e do teu amigo Miguel) se desculpava sempre com o passado, por isso esperei que não fizesses o mesmo. Ainda que tenhas razão, só que ele também tinha. Aliás, o grande problema que afeta todos é que alguém andou antes por este mundo e fez um conjunto de coisas que pesa na nossa vida. O tipo que descobriu o fogo, o rapaz que inventou o telefone, o Dom Afonso Henriques, o Prof. Cavaco, todos eles, pelo seu papel e pelo que fizeram, têm influência na nossa vida. Por isso, falar de quem andou por cá antes é uma coisinha normal e racional.
Também sei que defendias uma coisa quando estavas na oposição e agora fazes outra, mas até isso eu concordo que é normal. Aliás, tão normal que ainda continuo sem perceber como é que todos procedem da mesma forma, independentemente do partido.
Outra coisa que acho normal é que sejas azelha.
Por decisão dos meus pais, eu andei a estudar inglês desde pequeno (obrigado!), depois fui para a faculdade, eles andaram a pagar propinas (o teu partido não teve nada a ver com isso, pois não?), depois fui fazer um estágio curricular (não remunerado, como as empresas gostam), pelo meio andei a trabalhar e ainda resolvi pagar do meu bolso uma pós-graduação. Tenho 32 anos e formação e experiência para trabalhar (não te assustes!) em 4 áreas distintas.
Eu sei que não entendes o que te estou a dizer, já que o teu padrinho te pagou o curso numa privada (para não parecer mal, é que já estavas a ficar entradote) e a tua vasta experiência a colar cartazes e passear com tshirts do teu partido te garantiram assento em diversos conselhos de administração. Por acaso, todos em empresas do padrinho. Mas não julgues que condeno as cunhas. Toda a gente recomenda quem conhece, toda a gente pede recomendações, mas, como dizia um familiar meu: "antigamente as cunhas obrigavam a pessoa a dar o litro para não deixar mal quem o recomendou junto de quem aceitou a recomendação". Ou seja, eu até aceitaria que fosses trabalhar numa empresa do padrinho e subisses lá dentro, mas deves compreender que eu torça o nariz quando entras diretamente para o topo. Tu e os teus amigos jotinhas que acham que subir a pulso tem a ver com a dor que sentes nessa região do corpo por passares os dias a coçar a micose em troca de um salário de lorde.
É óbvio que tu, amigo, não tens culpa que o senhor do rancho folclórico e do curso das quatro cadeiras seja ainda mais "azelha" que tu. Acho uma certa graça quando apontavas tanto o dedo ao teu antecessor e vais escolher para teu braço direito um rapazote com as mesmas características.
Convenhamos que fazer uma licenciatura em 4 cadeiras devido ao currículo é espantoso. Colar cartazes é uma habilitação que me deixa pensativo. Será que passei ao lado de uma grande carreira só por não ter optado por uma atividade tão valorizada profissional e academicamente?
Quanto à tua comunicação no passado fim de semana... Eu estou no Brasil e segui atentamente via TSF (obrigado TSF!) e quase soltei uma lágrima ao pensar na forma como tanto te estava a custar proferir aquelas palavras.
Gosto muito dos teus discursos. Falas muito, não dizes grande coisa. Há quem ache que isso é ser um bom político. Disfarças as ideias com uma falta de mestria atroz! Então vens falar no que pretendes fazer com as medidas anunciadas mas depois as medidas vão servir para o contrário? Ai! Não bastava teres feito o curso tarde, também não aprendeste nada? Eu não tirei economia mas há noções básicas que deverias dominar.
Também gosto muito que vás chamar professores universitários para pastas importantes do teu governo, amigo. Então tu queres deixar nas mãos de teóricos algo tão prático como a condução de um país? É como se fossem instrutores de condução quando o país precisa de pilotos de rally!
Eu sei que não entendes, não te ensinaram nada disso.
Eu tive uma vidinha muito boa enquanto estudante, mas as bebedeiras, as festas, os excessos, nada disso me privou de adquirir saber. No teu caso, acho que tu continuas privado de várias coisas, uma delas é de inteligência. Mas digo-te isto como amigo, entende!
Também te posso dizer, sempre como amigo, que a incompetência dos outros não me incomoda assim tanto, a menos que se trate de um gajo que tem como função "levar o país a bom porto".
É que me deixa aborrecido que tanta a gente me torrasse a paciência quando votei em branco, mas hás-de compreender que não era capaz de votar em ti nem nos teus adversários. Espero que não leves a mal, amigo.
Gostaria ainda de te dizer uma coisa. Eu não sei se lês jornais ou se sabes das notícias lá de fora, mas tens vários primeiros ministros e presidentes que anunciaram cortes substanciais nos seus rendimentos. Tu, os teus compinchas e o professor Cavaco optaram pela solidariedade com o mexilhão. Bem sei que não teria um grande impacto, mas ser um líder implica dar o exemplo. E tu nunca deste. A menos que se possa contar com a bonita aula de expressão oral que deste um dia, já não me recordo quando.
Depois, se puderes e não te tomar muito tempo, explica-me o que andas a fazer quando vais ao estrangeiro. O Portas, esse, já sei que veio ao Brasil ver a Mariza.
O amigo Aníbal é outro.
Sinceramente, entre seres azelha e o Aníbal ser velhaco, não sei qual detesto mais.
Faço votos sinceros para que o nosso PR consiga reunir dinheiro suficiente para se aguentar cada mês, mesmo recebendo a Presidência da República, anualmente, mais do que a Casa Real de Espanha. Ainda se ele tivesse um curso de Economia ou conhecesse um professor da área, podia ser que ajudasse.
Não queria esquecer-me de te dizer que fico contente por teres encomendado umas centenas de carros de "serviço". Aposto que tinhas aí um dinheiro que podia ir para o QREN mas não sabias o que lhe fazer, então mandaste trocar a frota do estado. Aliás, de que serve a tua coleção de motoristas se não tiverem uns belos bólides para acelerar? Eu até questionava o exagero de motoristas, mas depois de alguma reflexão deduzi que serve para diminuir o desemprego.
E também tenho de saudar a contratação de assessores "especialistas" acabadinhos de sair da universidade e a receber que nem...especialistas. Deve ser da especialidade de colar cartazes. Sim, eu sei, isso é muito valorizado. E aplaudo a inteligência dos valores que são pagos "aleatoriamente" duas vezes no ano mas que não são subsídios de férias ou de Natal. De génio, Pedro, amigo!
Acho que se continuares assim ainda consegues juntar a maior manifestação em Portugal desde o 25 de Abril. Aliás, o 25 de Abril, esse sacana, que tem mais culpa na situação do país do que o homem com nome de filósofo ou do que o senhor do bolo rei.
Não te preocupes, enquanto houver dinheiro para minis, tremoços, cabeleireiro, pagar a anuidade do Benfica, cigarros e umas noitadas, o pessoal vai continuar a protestar só no Facebook e nos blogues (como eu estou a fazer, vês, amigo?).
Por isso, continua a empurrar as culpas para o Sócrates, o PS e a Troika, continua a governar o país como se tivesses 8 ou 9 aninhos e estivesses a ver a pilinha crescer, que nós vamos continuando a dizer mal de ti e a fazer pela vida.
Até ao dia...

Afinal, se um dia fomos quase donos do mundo, alguma fibra teremos. É claro que depois disso fomos descendo a pique (e tu estás lá no fundinho, amigo), mas isso são detalhes, cabe a cada um decidir se olha para o copo meio cheio ou meio vazio.


Abraço, Pedro, amigo.

P.S. não te mando para o caralho só por uma questão de educação e por ser teu amigo

1 comentário:

Uma Rapariga Simples disse...

Já colei muitos cartazes na vida, será que me dá equivalência a um doutoramento? - sim, já que não me dão a equivalência ao mestrado -, será que me garante lugar numa universidade privada a ensinar a nobre arte de plantar batatas com o rigor de uma bitola? Dúvidas...

Muito bom texto (agora vou agradecer À Ritinha tê-lo partilhado, lá no sítio onde toda a gente resmunga :).

Dispenso...

Porque tudo o que é dito é dispensável...
Porque tudo o que é escrito é dispensável...

Este é um blog onde se fala a sério e se brinca.
Quem não goste de ironia ou sarcasmo que feche esta página rapidamente!
Aqui ninguém tem razão.
Eu não pretendo estar certo, pretendo observar e pretendo fazê-lo de uma forma atenta e crítica...de uma forma dispensável.

Dispenso...um blog dispensável.

pessoas já dispensaram um tempinho para dar uma espreitadela